Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Ar fresco: cientistas negam “aquecimento global”

Um grupo de cientistas brasileiros entregou documento ao Ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, contestando que haja influência ponderável da civilização nas mudanças climáticas globais, e afirmando que tal influência permanece sem comprovação.

"Aquecimento Global é terrorismo climático", diz o Prof. Luiz Carlos Molion, Prof. de Meteorologia da Universidade Federal de Alagoas

Os signatários também se declaram “céticos sobre a existência do aquecimento global”.

Para eles, dentro de 20 anos a temperatura do planeta terá diminuído; o famigerado relatório do painel da ONU sobre mudança climática (IPCC) é “alarmista”; e o Protocolo de Kyoto, “inútil”.

Os cientistas participam do projeto Cloud, que reúne 24 universidades de dez países, e deploram que a imprensa só conceda espaço aos alarmistas apocalípticos, empenhados na demolição da civilização ocidental a pretexto de combater o tal “aquecimento”.

terça-feira, 8 de abril de 2008

Cientistas rejeitam teoria da influência humana no aquecimento global

Mais de 400 eminentes cientistas, renomados mundialmente em dezenas de especialidades, publicaram estudos individuais sustentando que o aquecimento global deve-se a ciclos naturais e não pode ser relacionado com atividades humanas.

Ditos trabalhos representam mais de 50% dos escritos científicos recentes sobre o tema. A imensa lista desses cientistas e dos seus trabalhos, com um excerto de cada um, foi publicada pelo Comitê do Senado dos EUA para o Meio Ambiente e Obras Públicas.

Muitos deles são ou foram membros do IPCC, e contestam os diretores desse organismo da ONU que, movidos por tendências ideológicas anti-capitalistas, publicaram conclusões abusivas sobre o chamado aquecimento global.

A mídia, entretanto, silencia a produção científica da maior parte dos cientistas que não vêem grande influência humana em fenômenos de aquecimento, deixando o público à mercê dos exageros “apocalípticos” e “catastrofistas” do ecologismo anti-civilizatório.