Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Conferência sobre Mudanças Climáticas: nada prova que o CO2 seja decisivo, mas fanatismo apocalíptico pode prevalecer


Nada comprova esse papel atribuído ao CO2 no aquecimento e isso explica a cautela tardia do IPCC ao afirmar em seu último relatório (IPCC 2007 - I, pág.10) que “a maior parte do acréscimo da temperatura média global observada desde meados do século 20 é muito provavelmente (very likely) devida ao aumento observado da concentração de gases do efeito estufa: Afinal, é ou não o CO2 o responsável? Gastaram US 50 bilhões e ainda não sabem?

Qual a explicação para o degelo no Ártico, as enchentes e furacões que ocorrem e dizem ser decorrentes do “aquecimento antropogênico” alardeado no filme hollywoodiano do AI Gore?

Há uma decisão da Corte Suprema da Inglaterra e Gales, número 2007/EWHC 2288 Adm. CO/3615/2007 - Caso Stuart Dimmock versus Ministério da Educação - que proibiu a exibição do filme nas escolas, até corrigirem 11 erros graves nele existentes. Na realidade, há 35 erros.

O CO2 gerado por combustíveis fósseis não é o responsável por esses fenômenos, que decorrem de efeitos na escala astronômica e não podem ser controlados pelo homem. Esse gás existe na atmosfera na proporção de 0,28% e até pode contribuir para o aquecimento, mas em escala irrelevante.

Em junho deste ano foi publicada nos EUA a coletânea de estudos que contestam cabalmente, do ponto de vista científico, to­dos os argumentos do IPCC e de seus adeptos: “Climate Change Reconsidered the Report of the Nongovernmental Panel on Climate Change”. Tem 897 páginas e muitas centenas de referências a estudos científicos que fundamentam o que diz.

Ao final, transcreve os nomes de 31.478 cientistas norte-americanos que discordam do IPCC, reunidos em petição promovida por F. Seitz, físico famoso e ex-presidente da National Academy of Sciences e da American Physics Society dos EUA

O Festim de Balthasar é uma conhecida passagem do livro de Daniel e descreve o banquete promovido por Balthasar, rei dos Caldeus e filho de Nabucodonosor. Regado a vinho e pago com dinheiro público, reuniu mil dignitários, cantoras e concubinas.

No meio do festim, surgiram nas paredes sinais estranhos escritos por mão invisível que ninguém soube decifrar. Trêmulo, o rei chamou os sábios e astrólogos, entre eles o profeta Daniel, que interpretou os sinais. Balthasar foi assassinado e substituído por Daniel. O festim em Copenhague terá muito mais dignitários, não será tétrico e será bem mais alegre e inconsequente.

(Fonte: “O Festim”, do Prof. José Carlos Azevedo, “Correio Braziliense” de 1º-10-2009).

Desejaria receber atualizações do blog "Verde: a cor nova do comunismo" gratis no meu Email

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.