Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Mais erros substanciais do IPCC. Enxurrada de revelações (III)

Ainda revoavam os ecos do escândalo das geleiras do Himalaia quando novo relatório apontou do famigerado “Quarto Relatório de Avaliação” (AR4), mais erros substanciais.

O diário “The Sunday Telegraph”  resumiu-os assim:

1 -- Publicação de dados inapropriados sobre o potencial de produção mundial de energia elétrica a partir das ondas marítimas. Os dados seriam do site da empresa comercial Wavegen produtora dessa energia. Porém, enquanto a Wavegen reproduzia números largamente aceitos, o IPCC publicou números drasticamente divergentes.

2 -- Afirmações baseadas meramente em comunicados de imprensa e boletins.

3 -- Mais dois exemplos de afirmações baseadas em dissertações de estudantes, dois das quais não-publicadas.

4 -- Mais provas de afirmações fundadas em relatórios de grupos de pressão ambientalista.

5 -- No fim de janeiro, “The Sunday Telegraph” denunciou que o suposto derretimento dos glaciares do Himalaia foi tirado também de um artigo de um estudante publicado numa revista de alpinismo.

Em 5 de fevereiro o IPCC foi denunciado por anunciar que mais da metade da Holanda estava abaixo do nível do mar.

O erro originou-se pelo simples fato de ler mal as informações fornecidas pelo governo holandês.

O IPCC insiste se tratar de “erros menores”. Porém, nos ambientes científicos cresce a preocupação pelo fato do IPCC utilizar em seus relatórios “literatura cinza” — i. é fontes que não foram submetidas a uma verificação científica.

Crescem então as pressões para que renuncie o controvertido presidente do IPCC Rajendra Pachauri.



The Sunday Telegraph” também informa que para fundamentar os efeitos do suposto “aquecimento global” e o modo de combatê-lo, o IPCC apelou para dez dissertações de estudantes que tentavam tirar o Mestrado. Algumas delas nem foram publicadas.

Uma delas foi preparada por um aluno da Universidade Al-Azhar, Cairo. Segundo o IPCC ela provava que o aumento de nível dos mares poderia impactar severamente as populações do delta do Nilo e outras áreas costeiras da África. Porém, o objetivo da tese era outro: mostrar o impacto do software no desenvolvimento ambiental.

Delta do Nilo

O IPCC também fez uso – como fonte científica – de um relatório do grupo militante ambientalista americano Defenders of Wildlife que defende que os salmões nos rios americanos foram afetados pelo aquecimento global.

O esquema repete-se demais: o IPCC apresentava como afirmações científicas, meros dizeres de panfletos alarmistas.

Desejaria receber atualizações do blog "Verde: a cor nova do comunismo" gratis no meu Email

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.