Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

domingo, 18 de agosto de 2013

Terra reverdece com aumento de CO2

CSIRO: dados de satélite mostram o aumento da folhagem de 1982 a 2010
O crescimento do dióxido de carbono (CO2) na atmosfera terrestre propiciou um aumento notável da folhagem verde nas regiões áridas do planeta durante os últimos 30 anos.

Esse aumento agiu como uma verdadeira “adubação com CO2”, escreveu o blog “Watts Up with that”, premiado como o melhor blog do mundo pelo Weblog Award 2013 na categoria ciência.

O estudo foi patrocinado pela ‘Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation’ – CSIRO, agência nacional australiana considerada como um dos mais renomados institutos mundiais de pesquisa.


A CSIRO baseou seus trabalhos em dados coletados via satélite, tendo contado com a colaboração da Australian National University – ANU, a grande universidade federal da Austrália.

Segundo o responsável pelo trabalho, Dr. Randall Donohue, os estudos constataram uma fertilização induzida pelo CO2 que elevou em 11% a folhagem existente nas regiões áridas da Austrália, América do Norte, Oriente Médio e África no período 1982-2010.

Dita fertilização acontece quando níveis elevados de CO2 estimulam a fotossíntese das folhas, as quais transformam a luz solar em açúcar e extraem mais carbono do ar.

“Embora já se falasse do benefício do CO2 à folhagem, até o presente foi difícil demonstrá-lo”, comentou o Dr. Donohue, que aduziu:




“Nosso trabalho pôde constatar o efeito adubador do CO2 utilizando modelos matemáticos baseados em dados dos satélites e ajustados a outras influências constatadas, como precipitações, temperatura do ar, quantidade de luz solar, e mudanças no uso do solo.”

Um índice elevado de CO2 faz com que as folhas cresçam mais, aumentando o consumo de água. No entanto, num meio-ambiente árido, as plantas reagem aumentando o número total de suas folhas.

Esta mudança na cobertura de folhas foi mapeada por satélite, especialmente nos desertos e savanas onde a cobertura é menos completa, sempre de acordo com o Dr. Donohue, que ainda afirmou:

“Um índice elevado de CO2 impulsiona o crescimento da folhagem nos países secos e constitui uma boa notícia que pode auxiliar o reflorestamento e a agricultura nessas áreas.”

O estudo foi publicado no “U.S. Geophysical Research Letters Journal” e financiado pelo “Sustainable Agriculture Flagship, Water for a Healthy Country Flagship”, da própria CSIRO, e pelo “Australian Research Council and Land & Water” da Austrália.

O trabalho apresentou um mapa mundi onde estão ressaltados em verde os melhoramentos obtidos nas regiões secas do planeta pelo aumento do CO2 na vegetação, e que comentamos neste post.

Videos: aumento do crescimento vegetal com mais CO2


O vídeo abaixo apresenta um exemplo de crescimento verde no deserto do Qatar filmado com timelapse.





Veja a vegetação crescer cada vez mais e mais rápido com o aumento de CO2:

No vídeo abaixo, a muda de feijão-fradinho (à esquerda) foi sendo fotografada crescendo num ambiente com o CO2 em 450ppm (a média global atual é de 360ppm/392ppm).



A muda da direita do mesmo feijão, num ambiente artificial com o nível de CO2 em 1.270ppm, ou seja um nível de CO2 282% maior.

Neste ambiente a vegetação cresceu mais e melhor, produzindo mais alimento e bem-estar. O CO2 é o “gás da vida”. Sem ele a vegetação se extinguiria e a Terra seria um planeta morto.

A diferença final, num teste de 42 dias, apontou os seguintes resultados na muda que cresceu com o CO2 em 1.270ppm: aumento de biomassa na colheita = +44%; aumento do número de folhas na colheita = +38%; aumento do peso de cada folha na colheita = +9%; aumento do peso final = +143%; aumento do tamanho das raízes na colheita = +339%.


Um comentário:

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.