Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

domingo, 15 de setembro de 2013

Potentados sauditas tremem
diante do gás e petróleo de xisto

Ministro saudita do Petróleo Ali al-Naimi, Rijad, 9/10/2012
Ministro saudita do Petróleo Ali al-Naimi, Rijad, 9/10/2012
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O ministro saudita do Petróleo, Ali al-Naimi, já fizera uma primeira advertência por ocasião da reunião do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), que reuniu os ministros do petróleo em Rijad, em outubro de 2012.

Agora voltou a tocar o alarme sobre as ameaças que o gás e o petróleo de xisto significam para os petro-monarquias da região o bilionário príncipe saudita Alwaleed bin Talal, sobrinho do rei Abdullah e um dos maiores investidores do mundo, informou o “The Wall Street Journal”.

A Arábia Saudita é o maior exportador mundial de petróleo (92% de seu orçamento depende desse produto), mas está reduzindo sua produção porque os países consumidores diminuem as compras.


Produção petrolífera dos EUA cresce mais rápido que a Saudita
Produção petrolífera dos EUA cresce mais rápido que a Saudita
Numa carta aberta ao ministro do Petróleo, o príncipe Alwaleed escreveu: “A crescente produção de petróleo e gás de xisto americano é um desafio inevitável.”

Em 2012, países exportadores da OPEP como a Argélia (-6%) e o Irã (-8%) registraram relevantes diminuições na exportação e nos lucros. Essas quedas são pequenas se comparadas com as previstas para os próximos anos.

A OPEP prevê uma queda de 600.000 barris/dia em 2012. A Agência Internacional de Energia prevê queda análoga até em 2015, depois da qual a diminuição vai se acentuar.


Ainda em março deste ano, o ministro de Relações Exteriores da Noruega previu que o boom do xisto americano vai mudar substancialmente o jogo de poder no Oriente Médio.

Em maio, o vice-presidente da Nexant Middle East, sediada em Bahrein, previu um futuro sombrio para o reino: as empresas vão redirecionar seus investimentos energéticos para os EUA, onde correm menor risco que no Golfo.

O aproveitamento das novas fontes de petróleo e gás está mudando a geopolítica do planeta. E os “verdes” estão mudando sua estratégia.

Após décadas anunciando o esgotamento iminente das reservas de petróleo e de energia do planeta, os alarmistas concentram agora seus esforços em bloquear a produção que dará novo fôlego ao mundo livre.

Projeção aponta que produção petrolífera dos EUA superará logo o petróleo importado
Projeção aponta que produção petrolífera dos EUA superará logo o petróleo importado
Entretanto, há uma constante na conduta “verde”, que nos anos 80 pregava contra a sociedade ocidental. Quem ficaria de pé? Obviamente os árabes, então muito próximos da URSS.

Hoje se verifica que as profecias catastrofistas não passavam de balelas. O que fazem verdes fazem? Criam juízo? Criam vergonha?

Não!

Engajam-se no boicote da exploração do gás e do petróleo de xisto, para que o Brasil, os EUA e a Europa continuem dependentes dos combustíveis árabe e russo, com a esperança de que o progresso ocidental leve a breca.

É assim que eles acham que vão se realizar as profecias miserabilistas do neocomunismo verde.


Um comentário:

  1. Descobri hoje seu blog Luis Dufaur. Muito bom, gostei. Vou acompanhar.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.