Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

domingo, 2 de novembro de 2014

EUA: macaco que faz selfie
não tem direito a copyright

Copyright Office: animal não é sujeito de direitos
Copyright Office: animal não é sujeito de direitos
Luis Dufaur



O Copyright Office, órgão do governo norte-americano responsável pelo registro de direitos autorais, determinou que o direito não assiste a um macaco que tirou uma foto de si mesmo.

A norma especifica que “o órgão não registra trabalhos produzidos pela natureza, animais ou plantas”, segundo informou a UOL.

Entre os exemplos apresentados figura “uma foto tirada por um macaco” e “um mural pintado por um elefante”.

O Copyright Office dos EUA equivale ao Inpi ( Instituto Nacional da Propriedade Industrial) do Brasil.

A decisão favorece o fotógrafo britânico David Slater, que em 2011, durante uma viagem à Indonésia, acompanhou um grupo de 20 macacos pela floresta da ilha de Sulawesi.

“Eles passaram a mostrar um lado brincalhão, pulando em cima do equipamento”, contou Slater.


Ele deixou os bichos brincarem com o equipamento e eles registraram centenas de fotos a esmo, entre elas, um selfie que faz parte de uma seleção do jornal britânico “Daily Mail”.

O fotógrafo David Slater com os macacos que brincavam com sua câmara.
O fotógrafo David Slater com os macacos que brincavam com sua câmara.
Não possuindo alma espiritual e carecendo, portanto, de intelecto, os animais não são detentores de direitos.

Esta conclusão, que parte das noções mais primarias sobre a realidade, foi aceita pelas civilizações.

Só a decadência moral dos homens os levou a acreditar supersticiosamente que os animais possuem espírito, e até que possam ser cultuados como deuses, como se pode ver em tribos africanas, americanas e religiões asiáticas fortemente impregnadas de demonismo.

O mesmo erro está sendo espalhado por uma falsa propaganda ecologista no mundo considerado até aqui civilizado.

A decisão do órgão americano ainda respeita o bom senso e o Direito. Mas, quanto tempo ela permanecerá de pé, tendo em vista a penetração da revolução verde neopagã?



2 comentários:

  1. Como assim, "...não possuindo espirito nem alma?" Na época da escravidão a Igreja afirmava que os escravos não tinham alma e assim não se opunham a tal prática. Uma coisa é a detenção de direitos legais, que seria um absurdo se fosse concedido a um macaco. Outra coisa é afirmar que os animais não tem alma. Ou será que um animal de estimação não sofre com a ausência de seu dono ou um cachorro não demonstra raiva quando late mostrando os dentes? Alma ou espírito é essa capacidade de demonstrar sentimentos, que está sim presente nos animais. Só quem nunca olhou diretamente nos olhos de um animal pode fazer tal afirmação! O que é um ser humano "desalmado" senão alguém que não demonstra sentimentos em relação aos outros ou aos animais? Quanto a abordagem religiosa da alma, aí já é outro papo; é questão de crença, cada um tem a sua e provavelmente não vai mudar.

    ResponderExcluir
  2. Luiz, uma perguntinha: Como a Igreja poderia pregar que escravos negros e índios americanos não tinham alma se a própria Igreja tinha a preocupação de catequizar e batizar essas pessoas?
    Sendo assim, sua afirmação é simplesmente falsa.
    Outra coisa, desde quando alma tem necessariamente a ver com "sentimentos"? Claro que os animais sentem, pois possuem órgãos sensoriais e a partir do que é captado reagem, isso de certa forma até uma máquina pode fazer.
    Mas nenhum animal ou máquina pode apreender a realidade, escolher aceitar ou rejeitar a verdade.
    Na verdade só os seres humanos dentre os habitantes da terra tem alma e espírito, somos criados a imagem e semelhança de Deus. Espirto este que existe para que o Próprio Deus habite em nós, portanto não somos simples criaturas feitas por Deus, mas sim, após o batismo, somos filhos de Deus.
    Ass.Lucas

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.