Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Irreversivelmente rumo à estagnação?
Horizonte ditatorial se insinua na COP21

Chanceler socialista francês Laurent Fabius, assume ares de profeta e diz que metas enunciadas são 'irreversíveis'
Chanceler socialista francês Laurent Fabius, assume ares de profeta
e diz que metas enunciadas são 'irreversíveis'
Luis Dufaur





Ministros de Meio Ambiente e negociadores diplomáticos de 70 países encaminharam em Paris um acordo para que os objetivos nacionais de redução das emissões de gases de efeito- estufa não só sejam revisados a cada 5 anos, mas também sejam irreversíveis, segundo noticiou “O Estado de S.Paulo”.

O entendimento foi feito em evento prévio à 21.ª Conferência do Clima das Nações Unidas (COP21).

Os dois pontos são considerados cruciais para o sucesso da COP21, que deve chegar a um acordo que limite o aumento médio da temperatura na Terra, como se isso dependesse do homem.

A Pré-COP, como o evento foi chamado, realizou uma espécie de “ensaio geral” da Conferência do Clima visando consensos sobre as propostas que serão negociadas no evento principal, também em Paris, a partir de 30 de novembro.



Durante três dias, ministros e negociadores nacionais discutiram em uma das sedes do Ministério das Relações Exteriores da França. Dessas discussões, cinco novos consensos foram tirados, segundo o chanceler francês Laurent Fabius e a secretária executiva da COP21, a costarriquenha Christiana Figueres.

Os delegados dos 70 países se puseram de acordo quanto a uma revisão periódica das contribuições voluntárias propostas pelas respectivas nações (INDCs), ou seja, das metas anunciadas pelos países para reduzir suas emissões de gases de efeito-estufa.

Além disso, houve acordo para que a revisão aconteça a cada cinco anos. “Creio que hoje essa proposta esteja bem estabelecida”, estimou Fabius, comemorando a escravização dos futuros assinantes.

Pré-COP21 em Berlim anuncia irreversibilidade das metas
Pré-COP21 em Berlim anuncia irreversibilidade das metas
Além disso, as partes fecharam entendimento sobre o mecanismo de “no backtracking”, ou seja, de que as metas contidas nos INDCs não poderão ser rebaixadas quando das revisões quinquenais, mas mantidos ou ampliados.

A presidente Dilma Rousseff prometeu, na sede da ONU em New York, que em matéria de gases estufa “para 2030 a nossa ambição é de redução de 43%”. G1

Pelo “no bactracking” o Brasil só poderá acentuar essa redução, e, se o Protocolo vigorar um bom tempo, poderá até ter que banir os gases- estufa do país, incluindo o vapor de água e o CO2, ou extinguir a vida e a chuva, objetivo evidentemente abstruso e inexequível.

Com o mecanismo de revisão das metas e o acordo sobre o “no backtracking” entendem Fabius e Christiana que nos próximos anos “será possível formular propostas nacionais mais ambiciosas, para preencher o fosso que nos separa da trajetória de 2ºC”, segundo afirmou o chanceler socialista.

A Pré-COP também serviu para que os ministros e diplomatas entrassem em acordo sobre a trajetória de longo prazo rumo a uma economia de baixo nível de emissões de gás carbônico (CO2).

Para secretária geral da COP21,  comunismo chinês é modelo de combate ao aquecimento global
Para secretária executiva da COP21,
comunismo chinês é modelo de combate ao aquecimento global
Eles também chegaram a um consenso sobre a necessidade de financiamento da luta contra o aquecimento global, cujo custo é estimado em US$ 100 bilhões a partir de 2020, mas os porta-vozes preferiram não avançar qualquer cifra.

O último ponto de entendimento diz respeito ao modo como se darão as negociações durante a COP-21.

Christiana Figueres, secretária executiva da COP21, comemorou esses resultados da Pré-COP, como sendo “os maiores e mais proveitosos da história”.

“Os ministros reafirmaram que é urgente chegar a um acordo”, disse a secretária-geral, fazendo uma advertência: “Ainda não quer dizer que ao final da COP21 vamos estar na trilha do aquecimento máximo de 2ºC”.

Christiana defendeu anteriormente que essa trilha não é transitável num regime de liberdades ou democracia. Por isso, em entrevista concedida na sede da Bloomberg News em New York, ela elogiou o método ditatorial do regime marxista chinês, porque “está fazendo o certo” para combater o “aquecimento global”.


Um comentário:

  1. Esses acordos não possuem valor algum sem o apoio dos Congressos Nacionais.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.