Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

domingo, 12 de março de 2017

Profecias ambientais alarmistas da ONU erraram, constatou cientista

Patrick Michaels
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Quando nossos amigos “verdes” da ONU perceberão que não é boa ideia fazer predições de desastres vindouros?, indagou o cientista Patrick Michaels, do Cato Institute, em seu blog em Forbes.

De fato, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP) em 2005 predisse que em 2010 haveria 50 milhões de “refugiados climáticos” ‒ população que emigra pela deterioração climática. O UNEP até elaborou um mapa mostrando exatamente de onde emigrariam todos esses milhões.

Foi um erro mortal, segundo os censos recentes, diz Michaels. Pior ainda, a população está crescendo rapidamente onde o UNEP dizia que iria emigrar.

O realejo “verde” insistia que fluxos de refugiados ambientais sairiam das ilhas tropicais de nível pouco acima do mar, por causa dos furacões cada vez piores e mais frequentes.

Maldivas
O caso de figura deveriam ser as Bahamas que têm mais ciclones que qualquer outro lugar da terra. Entretanto a população aumentou 14% desde o ano 2000.

E as ilhas Salomão se saíram melhor: mais 20%. Nas Seychelles os habitantes cresceram 9%.

Para o cientista, a história recente revela que os órgãos da ONU funcionam como uma central sistemática de desinformação climática.

Michaels aponta alguns dos exageros inverossímeis, aliás já desmentidos, espalhados pelo Painel Intergovernamental para as mudanças climáticas ‒ IPCC, e seu autoproclamado e inexistente consenso na ciência climática.

Quando o governo da Índia desmentiu a fantasia do IPCC segundo a qual desapareceriam os glaciares do Himalaia que alimentam o rio Ganges, o então chefe do IPCC, o indiano Rajenda Pachauri, respondeu que o governo indiano apelava a uma “ciência vudu” que não afinava com a pífia ciência verde.

Mas, há anos, diz Michaels, verifica-se que o grande aprendiz de vudu é a ONU e seu órgão, o IPCC. O Rajenda Pachauri renunciou envolto em escândalos de corrupção na Índia em empreitadas que enganosamente tentavam evitar a desertificação que adviria com o fim dos glaciares do Himalaia.

Naquele relatório, o IPCC sustentava que 55% da Holanda já estavam abaixo do nível do mar.

Ainda defendia que em mais nove anos o crescimento da vegetação tropical planetária diminuiria pela metade em virtude de um massivo declínio das chuvas anuais. Hoje a América do Sul perde parte da safra pelo excesso de chuvas.

Todos estes erros se devem a um azar? perguntava Michaels.

Ciência ambientalista: aprendiz de vudu?
Os cientistas são humanos e podem errar. Mas, responde Michaels, o esquisito é que as gafes da ONU têm sentido único. 

Nunca se encontra um erro na outra direção, quer dizer, subestimar as mudanças climáticas.

Em cada “erro”, o IPCC apelou para literatura que não foi conferida no sistema “peer-review”.

Num trabalho sem viés ideológico deveria haver possibilidades mais ou menos iguais de erro num sentido ou num outro. E o modo de corrigir os erros seria dar liberdade aos cientistas para opinar normalmente.

Qual é a probabilidade de que uma moeda caia do mesmo lado seis vezes sucessivas? É 0,015%.

Porém, os cientistas da ONU consideram que um nível de 0,05% de probabilidade é um nível suficiente para achar que uma hipótese pode ser aceita, conclui Michaels.

E com esse grau de probabilidade de estarem certos pretendem reformar o mundo e pô-lo de ponta cabeça!


domingo, 5 de março de 2017

Comer a barata no pão, ou na farinha?
Rumo ao pesadelo da alimentação ecológica tribal

Comer barata está no cardápio do nojo verde.
Comer barata está no cardápio do nojo do mundo "verde".
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Pesquisadoras estudantes da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) acertaram o passo com o bafo das centrais ambientalistas mais radicais favorecidas pela ONU e ONGs.

As alunas de Engenharia Química de Alimentos, desenvolveram uma farinha feita de baratas ! (sic!), noticiou a revista Galileu da Editora Globo.

O pretexto é que essa farinha possui 40% mais proteínas do que a farinha de trigo.

O sofisma é reforçado com o espantalho bem do gosto do extremismo ambientalista de que a Terra ou diminui drasticamente a população ou a humanidade passará fome.

A Organização das Nações Unidas (ONU) anuncia que se a humanidade segue crescendo por volta de 2050, a população mundial sofrerá escassez alimentar.

O blefe é continuamente desmentido pelos fatos, mas o ecologismo radical não entrega os pontos diante da linguagem da evidência.

Hoje o Brasil sozinho produz alimentos para por volta de um bilhão e meio de pessoas. E vai para muito mais.

Baratas utilizadas na produção de farinha são criadas em Betim (Foto Reprodução RBS TV).
Baratas secas usadas na produção de farinha são criadas em Betim.
A “solução” das pesquisadoras para o “bicho papão” da Terra incapaz de alimentar os humanos, foi a velha ideia dos grupos ambientalistas mais radicais para rebaixar o homem: comer insetos como os índios mais degradados.

“Insetos são muito mais disponíveis. A quantidade de alimento que precisam é menor, assim como o tempo que demoram pra crescer” explicou à Galileu a orientadora da pesquisa, Myrian Salas Mellado.

As baratas usadas não são as que aparecem pelos ralos e esgotos, mas de uma variedade diferente não menos repugnante.

As baratas chegam desidratadas e são trituradas. O resultante é peneirado e misturado à farinha de trigo para fazer pães.

O produto ainda não tem a liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária [ANVISA] para o consumo humano, mas o processo de aprovação está em andamento, disse a pesquisadora Andressa Lucas à Galileu .

As duas alunas planejam introduzir insetos como o grilo e o besouro tenébrio, na alimentação humana.

Veja o cardápio que o ecologismo lhe está preparando:






José Graziano da Silva, diretor da FAO, elogiou proposta
De fato, a organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) vem propondo reformar a gastronomia mundial para reduzir a poluição, já há vários anos.

O objetivo seria acostumar os homens comer insetos como besouros. gafanhotos e formigas em vez de carne bovina e suína, porque o gado é tido arbitrariamente em conta de “aquecedor do planeta”.

Num relatório de 200 páginas divulgado em Roma, a FAO defendeu que comer insetos beneficia o meio ambiente enquanto o gado consome vegetais e ração demais.

O então diretor do organismo, o brasileiro José Graziano da Silva, ex-ministro extraordinário de Segurança Alimentar e Combate à Fome no gabinete do presidente Lula e ex-responsável do Programa Fome Zero, disse que para combater a fome no mundo grilos e formigas são “essenciais”.


Prato de insetos em Laos
Mas, acrescentou, deveriam ser “mais integrados com as políticas de segurança alimentar e com o uso da terra”, obviamente com reforma agrária e ambientalismo.

O trabalho foi realizado com a colaboração da Universidade de Wageningen, na Holanda.

Ele foi apresentado em Roma durante a Conferência Internacional sobre as florestas para a segurança alimentar e nutrição, segundo informou na época a Folha de S.Paulo.

Escorpião e gusanos de seda para consumo humano em Kunming, China
O documento elogia os insetos por se alimentarem de “resíduos, lixo humano, compostagem e chorume animal”.

“Os insetos estão em todo lugar e se reproduzem rapidamente”, elogia a FAO, acrescentando que eles deixam “pequena pegada ambiental”.

O Programa de Insetos Comestíveis agora lançado também examina o potencial alimentar de aranhas e escorpiões, embora não sejam considerados insetos.

Ministro do Gabão Gabriel Tchango apresentado o relatório da FAO.
Projeto parece horrorizar até os promotores
A FAO reconhece que muitas pessoas que “podem não gostar da ideia de consumir insetos podem já tê-los ingerido em algum momento na vida, já que muitos são engolidos inadvertidamente”.

Mas isso é um acidente repugnante.

Entretanto, para os militantes do ambientalismo radical propostas como esta preanunciam o futuro.



domingo, 19 de fevereiro de 2017

Físico do MIT pede fim do “doutrinamento com doidices” do alarmismo climático

Richard S. Lindzen: “histerias” ambientalistas obedecem a uma maliciosa “guerra” montada por propagandistas das esquerdas
Richard S. Lindzen: “histerias” ambientalistas obedecem
a uma maliciosa “guerra” montada por propagandistas das esquerdas
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O físico da atmosfera Richard S. Lindzen, professor emérito da cátedra Alfred P. Sloan de Meteorologia no famoso Massachusetts Institute of Technology (MIT), voltou a refutar com abundante documentação os mitos catastrofistas contidos no pânico do “aquecimento global”, informou o jornal The Telegram, de Worcester, Massachusetts.

Na sua palestra, intitulada “Aquecimento Global ou Alarmismo Climático?”, ele desfez as demagógicas manchetes midiáticas que anunciam que “o mundo está chegando a seu fim”.

Isso absolutamente não está acontecendo, disse o Prof. Lindzen.

Um “aumento completamente insignificante” da temperatura global num décimo de grau centígrado constatado em 2016 serviu para o banzé midiático aterrorizar o mundo com a afirmação de que foi “o ano mais quente desde que se tem registro”.

Ele mostrou gráficos de oscilações da temperatura global acontecidas ao longo dos séculos e sublinhou que ditas oscilações são perfeitamente normais.

“A relação entre um modesto aquecimento e uma catástrofe que paira sobre nós é algo gritantemente falso”, disse Lindzen.

Ele alertou também contra o “doutrinamento das jovens gerações com doidices dessas”.

Os mares subiram de nível nos últimos 10 mil anos, a mudança climática é cíclica e natural, o aumento de CO2 por causa humana desde o início da Revolução Industrial é contestável.

Essas e outras “histerias” existem por causa de uma maliciosa “guerra pela energia” montada por propagandistas das esquerdas, que promovem “qualquer outra fonte de energia desde que não preste”.

Urso polar não é bicho bonzinho mas feroz. Sobe no gelo para para catar, matar e comer animais marinos.
Urso polar não é bicho bonzinho mas predador feroz.
Sobe no gelo para para catar, matar e comer animais marinos.
Mas propaganda alarmista apresenta como vítima.
Ele citou o –aliás, imoral – princípio de política formulado por H.L. Mencken: “Toda a arte da praxe política é manter a população alarmada e lhe prometer proteção contra uma série intérmina de espantalhos, a maioria deles fantasiosos”.

Chegou a hora de pôr um freio a todo esse alarmismo com a mudança climática, defendeu Lindzen.

O discurso do especialista pode ter parecido provocativo, considerando que falava na presença de rabinos, de um ex-diretor de pesquisas do câncer da Escola de Medicina da Universidade de Boston e de um bom número de estudantes da Universidade Clark, vários deles engajados nas posições opostas.

O rabino Chaim Fishman, por exemplo, perguntou-lhe demagogicamente para onde irão os ursos brancos quando derreterem os últimos blocos de gelo sobre os quais eles aparecem nas fotos.

O Dr. Lindzen respondeu que o número de ursos polares está crescendo tanto, que o governo canadense, ambientalista ele próprio, autorizou sua caça.

Acresce-se que eles não moram sobre os blocos de gelo, mas ficam sobre eles à espreita de suas vítimas, em geral focas e outros animais marinos. Também são grandes nadadores predadores, que não se incomodam de andar de um iceberg a outro para devorar esses animais quando estão reunidos ou repousando.

Acresce-se ainda que os icebergs não estão desaparecendo, mas apenas derretem ciclicamente nos verões polares, sendo a objeção carente de conhecimentos básicos.



segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Verdes apanicados pela abertura de institutos e arquivos sobre o clima

Se as instituições científicas até agora instrumentalizadas por militantes ambientalistas passam a fornecer dados certos, as ofensivas aquecimentistas ficarão sem base crível
Se as instituições científicas até agora instrumentalizadas por militantes ambientalistas
passam a fornecer dados certos, as ofensivas aquecimentistas ficarão sem base crível
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







A ascensão de Donald Trump à presidência americana trouxe um efeito inesperado: a corrida para apagar registros e provas por parte de cientistas alarmistas que até agora agiam impunemente sob a administração Obama.

Esses alarmistas agora alarmados alegam temer que o novo presidente ordenasse um “expurgo” de milhares de relatórios elaborados por eles quando ocupavam altos cargos na NASA, na NOAA (Agência Nacional Atmosférica e Oceânica) e outras instituições federais.

Esse medo parece mais provir de suas consciências. Mas por causa dele eles teriam passado “a proteger, duplicar e salvar a ‘evidencia’ do aquecimento global”, segundo o jornal espanhol “El Mundo”.

A verdade histórica aponta até berrantemente o contrário. Cientistas com viés ideológico de esquerda em virtude de apoios políticos ou outros galgaram posições em instituições ou funções desde as quais ficaram distorcendo os dados climáticos e promovendo pânicos infundados.

Como esses dados estão protegidos com graves penalidades, eles não foram destruídos e podem vir a cair nas mãos de cientistas responsáveis.

E é de se desejar que Trump os promova a postos de responsabilidade. Será até uma prova de que está cumprindo as esperanças dos cientistas honestos.

Se isso acontecer, muitos anos de fraudes e informações falseadas ou enviesadas ficarão à vista de todos.

Outrora, o famoso escândalo do Climategate patenteou a imensa máquina de distorção e falsificação de dados e conclusões montada para fazer acreditar a opinião pública mundial que estamos numa vertiginosa espiral de aquecimento global.

Naquela oportunidade, os maus cientistas tudo tentaram para que os dados oficialmente registrados e as análises deturpadas por eles não pudessem ser conferidos por cientistas idôneos.

O escândalo atingiu a cúpula do laboratório Goddard da NASA, o Met Office britânico, universidades britânicas e americanas onde se concentram os dados da temperatura recolhidos em todo o planeta. Alguns dos responsáveis foram formalmente indiciados por falsificação “aquecimentista” e tiveram que renunciar.

Compreende-se que essa confraria apocalíptica agora esteja com as barcas de molho e invente pretextos para tentar salvar a pele.

Gráficos enviesados ideologicamente como este poderão ser denunciados
Gráficos enviesados ideologicamente como este do IPCC poderão ser denunciados
O método para embaralhar a retirada é claro: levantar cortinas de fumaça difamatórias.

A investigadora Joan Donovan, da Universidade de Califórnia – Los Angeles (UCLA) chegou a falar: “estamos lutando numa guerra da informação (especialidade, aliás, em que os alarmistas são mestres) e a mudança climática está sofrendo um ataque muito específico” (aliás, um ataque por parte da verdade que quer ser conhecida).

Segundo “El Mundo” a UCLA virou um epicentro para preservar os dados sobre a mudança climática “que correm o risco de desaparecer do domínio público”.

Poder-se-á verificar se os dados são falsos ou foram manipulados para efeitos ideológicos. E nesse caso constatar-se-á que a realidade do clima está muito mais perto do que dizem os cientistas conscienciosos chamados “céticos” e habitualmente menosprezados e postos de lado.

Michelle Murphy, da ONG Iniciativa de Governança e Dados Ambientais na Universidade de Toronto, já avisou a seus colegas americanos: os ativistas ambientalistas:

“no Canadá, durante o governo do conservador Stephen Harper, sofremos censura, destruição de documentos e o desemprego de cientistas relacionados com a mudança climática”. Faltou acrescentar que foram pegos com a mão na botija.

Murphy, então pede “contra-atacar desde o primeiro momento” nos EUA.

O líder ambientalista Al Gore, malgrado o desprestígio em que caiu pelas suas fraudes demonstradas anunciou o fim da trégua que vigorava na presidência de seu amigo e companheiro de partido Barack Obama.

O próprio Obama também planeja dedicar novos esforços na promoção do blefe da mudança climática. Ele quer que os EUA continuem presos ao acordo de Paris que ele assinou de modo irresponsável.

O Secretário de Energia da nova administração, Rick Perry, mostrou bom senso.

Ele declarou que a mudança climática não passa de “uma teoria científica não demonstrada”.

É claro que os dados objetivos e os trabalhos dos cientistas conscienciosos apontam que não é bem uma teoria – antes bem uma religião ou uma ideologia anti-civilizatória encapuzada – e que a única coisa demonstrada é que o mundo não está em fase de aquecimento.

Scott Pruitt, novo diretor da EPA (Environmental Protection Agency, equivalente a nosso Ministério de Meio Ambiente) diz que “os cientistas continuam sem ficar de acordo sobre o alcance real do aquecimento global e sobre sua conexão com as atividades humanas”.

Ativistas do aquecimentismo que pareciam aposentados como Al Gore agora estão voltando para salvar um passado tendencioso e turvo
Ativistas do aquecimentismo que pareciam aposentados como Al Gore
agora estão voltando para salvar um passado tendencioso e turvo
Em poucas palavras, o pânico do aquecimento que poderia extinguir a vida na terra em nada está provado.

Na Grã Bretanha, a nova primeira ministra Teresa May chegando à residência oficial de Downing Street logo suprimiu o Departamento de Energia e Mudança Climática, um reduto espalhador de temores infundados.

O jornal “The Independent”, caixa de ressonância habitual dos slogans e ideias socialistas esperneou pelos “graves riscos” de erosão das costas britânicas, dos alagamentos e dos “possíveis” efeitos do aumento da temperatura no sul da Inglaterra no horizonte 2050.

Vale tudo. Por que só o sul da Inglaterra? Não é o planeta todo que estaria aquecendo? Blefa, blefa, que algo ficará

Uma centena de cientistas britânicos escreveu à primeira ministra para que arranque a adesão de Donald Trump à mudança climática. Como se a resposta à questão não fosse científica, mas resultado de conchavos políticos como vinha sendo até agora.

“O que mais nos preocupa é que sem os dados e o acompanhamento do clima feito pelas instituições americanas, podemos ficar dando pauladas para todo lado como cegos num futuro próximo”, arguiu Piers Forster, da Universidade de Leeds, que lidera a petição.

Em poucas palavras terão que trabalhar com dados objetivos e cujas conclusões poderão ser revistas por colegas.

Objetividade e seriedade que soa como a morte para quem até agora abusou dos cargos e distorceu dados e teorizações em aras de uma utopia de fundo anarquista e comuno-tribalista.


domingo, 5 de fevereiro de 2017

Físico ateu quer sair da Terra,
de pânico dos bichos papões ambientalistas

Espantado pelos pânicos ambientalistas Stephen Hawking propõe fugir da Terra.
Espantado pelos pânicos ambientalistas Stephen Hawking propõe fugir da Terra.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Louvado pela moda, o físico e cosmólogo britânico Stephen Hawking encheu de gáudio o catastrofismo ambientalista em debate organizado pela Oxford Union Society.

Segundo esse militante do ateísmo, nós só teremos 1.000 anos para fazer as malas e migrarmos para outro astro. Desse destino fatídico adviria a necessidade de acelerar a conquista espacial.

Ele explicou a causa de sua predição apocalíptica: “Eu acredito que não sobreviveremos mais 1.000 anos sem fugirmos de nosso frágil planeta”, informou o jornal londrino “The Independent”.

Para identificar os cânceres que devorarão esse “frágil planeta”, ele apelou para os pânicos ambientalistas:

O primeiro é a mudança climática; o segundo é o desenvolvimento da energia nuclear; e, por fim, o progresso da inteligência artificial.

O físico apoiou-se em sua visão materialista do homem, qualificado por ele de “mera partícula elementar da natureza”. Após rebaixar assim o ser humano, que tem uma alma imortal dotada de inteligência e vontade, Stephen Hawking apelou para o precipício dos blefes ambientalistas.

Não é a primeira vez que o cosmólogo apela para pânicos irracionais com vistas a influir sobre o futuro da espécie humana. Em abril de 2015 ele apresentou um projeto de nave espacial para tentar atingir Alpha Centauri, o grupo de estrelas mais próximo da Terra.

Nenhuma tecnologia permite entrever como essa viagem seria possível. Levar-se-ia toda a humanidade, ou se escolheria uma casta de “seletos” que iriam iniciar uma nova humanidade enquanto os restantes ficariam condenados à extinção pelo aquecimento global?

Migrar para a brilhante estrela Alpha Centauri da qual pouco se sabe equivale a um suicídio coletivo.
Migrar para a brilhante estrela Alpha Centauri da qual pouco se sabe
equivale a um suicídio coletivo.
Quanto duraria essa viagem monstruosa? Alpha Centauri se encontra nada mais, nada menos a quatro anos-luz e é astronomicamente imensa. E ir para onde? A ciência e a tecnologia espacial não têm a menor ideia se há algum astro habitável naquele sistema.

Muitos físicos criticam Hawking, argumentando que ele age mais como um astro pop do que como cientista.

Eles alegam que o britânico defende teses muito embombadas pela imprensa, mas que nunca demonstra.

Acrescentam que é muito difícil discutir com ele pela ausência de documentação para suas suposições e pelo barulho midiático que o circunda (cfr. verbete Stephen Hawking, Wikipedia).

Falando no programa “Live from space”, Hawking pontificou que os terrícolas deveriam colonizar a Lua num prazo de “50 anos”, por causa de um suposto supercrescimento da população.

Na verdade, a humanidade com todas suas atividades ocupa por volta de 11% da Terra, existindo ainda imensidades por conquistar para a cultura e para a civilização.

As novas tecnologias prometem tornar essa estreita percentagem aproveitada do planeta ainda mais rica e produtiva. Mais, expandir essa parcela para regiões agora consideradas inaproveitáveis, como é o caso de muitas que hoje são prósperas graças ao trabalho dos homens.

Para isso vale, aliás, o conselho final que ele mesmo deu:

“Lembrai-vos de olhar para as estrelas, e não para os vossos pés. Tentai entender o que vós vedes e vos interrogar sobre as razões de ser do universo. Sede curiosos. Pouco importa até que ponto a vida parece complicada, sempre haverá alguma coisa que vós podereis fazer e obter sucesso. O importante é não entregar os pontos.”

A conquista do espaço não precisa de pânicos irracionais que induzam a pular no vazio de um sistema remotíssimo, inacessível e essencialmente ignorado. Esse pulo soa a suicídio coletivo em nave perdida.

O homem precisa é de sabedoria. Isso é o que está faltando. Ele poderá assim dar lugar a proezas no domínio da Terra, garantindo uma vida livre e plena, realizando o plano de Deus.

Mas apelando para o contrário da sabedoria, que é a característica da revolução verde-vermelha, nós nos jogaremos num precipício inimaginável.


domingo, 29 de janeiro de 2017

Para Prêmio Nobel
o “ aquecimento global é uma nova religião”

Ivar Giaever, Prêmio Nobel de Física 1973.
Ivar Giaever, Prêmio Nobel de Física 1973.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Ivar Giaever, Prêmio Nobel de Física 1973 renunciou à famosa American Physical Society (APS) em 13 de setembro de 2011 como forma de condenar a posição oficial da associação em favor do "aquecimento global".

Giaever é professor emérito do Rensselaer Polytechnic Institute, em Troy, Nova York, e da Universidade de Oslo.

Em 2007, a APS adotou uma declaração oficial segundo a qual as atividades humanas estão mudando o clima da Terra.

“As evidências são incontestáveis: O aquecimento global está ocorrendo”, afirmava o documento repelido pelo Prêmio Nobel.

“Se não forem empreendidas ações mitigadoras provavelmente acontecerão rupturas significativas nos sistemas físicos e ecológicos da Terra, nos sistemas sociais, atingindo a segurança e a saúde humana. Precisamos reduzir as emissões de gases de efeito estufa a partir de agora”, martelava o documento.

Giaever enviou na oportunidade um e-mail para Kate Kirby, chefe da APS, explicando que “ele não pode conviver com essa declaração” quando a temperatura global continua “surpreendentemente estável”.

Na APS, explicou o cientista, pode-se discutir todos os temas científicos, menos um que é tratado como tabu intocável: “o aquecimento global deve ser tratado como evidência indiscutível?”

“A alegação de que a temperatura da Terra passou de 288,0 para 288,8 graus Kelvin em cerca de 150 anos, se for verdade significa que a temperatura tem sido surpreendentemente estável, e a saúde humana e a felicidade melhoraram indiscutivelmente neste período de 'aquecimento'”, acrescentou o Prêmio Nobel.

“Aquecimento global”, guerra ao desmatamento, etc.: dogmas de uma nova religião

Para o Prêmio Nobel, “o aquecimento global se tornou uma nova religião”

“Ouvimos muitas advertências semelhantes sobre a chuva ácida, há 30 anos e o buraco de ozônio de 10 anos atrás ou o desmatamento”, defende ele apontando profecias catastrofistas que não se verificaram.

“O aquecimento global tornou-se uma nova religião. Nós frequentemente ouvimos falar do número de cientistas que o apoiam. Mas o número não é importante:... Só importa saber se os cientistas estão corretos. E, realmente nós não sabemos no que é que consiste o efeito real da atividade humana sobre o temperatura global”, acrescentou.

Giaever é um dos cientistas mais proeminentes citados em Relatório hoje histórico da Comissão do Meio Ambiente e Obras Públicas do Senado dos EUA.

Ele figura entre os 400 “cientistas dissidentes” que denunciaram em manifesto o mito do “aquecimento global” e que hoje aumentaram para 700.

Giaever também foi um dos mais de 100 signatários da carta de 30 de março de 2009 ao presidente Barack Obama, criticando sua postura sobre o aquecimento global.

É de se desejar que o novo presidente americano Donald Trump que mostra sensibilidade para posições afastadas do utopismo "verde" reconheça agora os méritos de cientistas como Giaever.

Ele é figura de destaque numa legião de cientistas objetivos que vêm sendo menosprezados e até punidos pelo radicalismo ambientalista instalado na administração pública americana.



domingo, 22 de janeiro de 2017

Aquecimento e esfriamento do clima
são humanamente imparáveis

Atividade na superfície solar
Atividade na superfície solar
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




No fim de 2016, o Met Office, instituto de meteorologia do Reino Unido, previu que 2016 desbancará 2015 como o ano mais quente desde o início dos registros, em 1880.

A previsão é de que a temperatura média global será 1,14ºC acima da observada antes da Revolução Industrial.

O jornal “O Globo” carregava a manchete dizendo: “2016 será o ano mais quente da História, diz instituto”. Entre o início dos registros, acontecido quase 140 anos atrás, e o início da História há uma diferencia de não se sabe bem quantos milhares, milhões ou bilhões de anos – os cientistas discutem isso. Por certo, um aluno que confundir esses termos em qualquer escola séria pode levar estrepitosa nota zero.

Mas isso pouco importa na hora de semear pânico com o ritornelo do “aquecimento global”.

Dois cientistas líderes no estudo do clima, os Dres. David Russell Legates, professor de Geografia na Universidade de Delaware e ex-diretor do Centro de Pesquisa Climática dessa universidade e Wei-Hock “Willie” Soon, pesquisador da Divisão de Física Solar e Estelar (SSP) do Centro para Astrofísica do Harvard-Smithsonian, prepararam um vídeo para explicar que a contestada tendência ao aquecimento global, se existe é devida a fenômenos naturais cíclicos alheios ao homem.

Mais concretamente, de ciclos no astro-rei – o Sol – que é de longe o que determina se faz calor ou frio na Terra com sua capacidade de gerar quantidades de energia, na forma de luz, calor e raios diversos, impossíveis de emular com recursos humanos.

Em consequência, dizem os dois especialistas, os fenômenos de aquecimento e arrefecimento da temperatura da Terra são “imparáveis”.

Sendo assim ao pé da letra imparáveis, o homem achar que pode mudar um fenômeno determinado pelo gigante do nosso sistema espacial é mais ridículo do que construir castelos de areia para conter as ondas do mar.

Ilulissat é a terceira maior cidade da Groenlândia, ilha gélida de proporções continentais que chegou a ser coberta de vegetação na Idade Média.
Ilulissat é a terceira maior cidade da Groenlândia, ilha gélida de proporções continentais
que chegou a ser coberta de vegetação na Idade Média.
Os autores do vídeo mostram como esses ciclos de aquecimento e esfriamento são históricos. Em face deles, o que homem pode fazer de mais inteligentes é adaptar-se.

Portanto, não é sério montar um banzé universal, assinar tratados como o Acordo de Paris e impor legislações draconianas, as quais não podem senão revelar a insignificância das forças humanas quando comparadas com o poder do Sol.

Legates e Soon mostram isso com um exemplo paradigmático: o da Groenlândia, ou Greenland, literalmente “terra verde”, hoje quase totalmente coberta pelo gelo.

Eles documentam como essa grande ilha já foi muito mais quente quando o ciclo solar de aquecimento em que vivemos estava em seu auge, e que desde o período quente medieval está em declínio, com alternâncias cíclicas.

Malandramente, o noticiário alarmista – como o gerado pelo Met Office, que citamos no início e que “O Globo” exagerou na manchete até o delírio – silencia a verdadeira dimensão científica dos ciclos solares que regem os períodos de aquecimento e esfriamento da temperatura terrestre.

Mas, se o alarmismo verde, fundamentalmente contrário à civilização, decidisse virar a casaca e pregar que o clima está esfriando pavorosamente e exigisse a adoção de qualquer teoria e/ou tratado louco, esse vídeo poderia vir a calhar perfeitamente.

O Met Office poderá anunciar que o clima de 2016 foi devastadoramente mais frio do que no tempo dos Vikings, quando a Groenlândia era verde, e manchetes delirantes como a citada poderão nos anunciar que o mundo em mais alguns séculos ficará reduzido a um cubo de gelo.

Assim funcionam os pânicos ambientalistas.

Em 2014, “The Economist” noticiou que o aquecimento na última década havia sido de 0,04°C. Mas em Paris o ex-presidente Obama anunciou que 14 dos últimos 15 anos haviam sido os mais quentes desde que há registros. Cientistas clamaram que 2014 foi o mais quente de todos esses, embora reconhecessem que só tinham 38% de chances de estarem certos.

Hoje a Groenlândia está coberta de gelo em imensa parte . A inteligência de seus habitantes consistiu em se adaptar ao atual período climático.
Hoje a Groenlândia está coberta de gelo em imensa parte .
A inteligência de seus habitantes consistiu em se adaptar ao atual período climático.
Em seguida os mesmos alarmistas clamaram que 2015 foi o mais quente, embora os dados não fossem confirmados pelos satélites. Agora o Met Office montou mais uma treta no jogo das comparações para 2016.

Ligado a esse terror do aquecimento global, espalha-se que os oceanos estão subindo. Contudo, o site The Daily Wire noticiou que nos últimos 50 anos o nível dos mares registrou um crescimento de menos de um milímetro, algo normal e até irrelevante estatisticamente.

O vídeo abaixo também fornece provas, depoimentos de cientistas e outros argumentos no sentido de que o CO2 não modifica em nada a temperatura da Terra. A verdade científica é que quando a Terra esquenta por efeito sol, aumenta o CO2 apenas como uma das muitas consequências da atividade solar.

O Dr. Niv Shariv, da Hebrew University, conclui: “Ainda que reduzíssemos a emissão de CO2 pela metade, o efeito sobre a temperatura global será insignificante”.

Se os EUA conseguissem reduzir suas emissões de CO2 num 80% por volta de 2050, como chegaram a prometer o então governador da Califórnia, Jerry Brown, o então presidente Barack Obama e a ex-candidata presidencial Hillary Clinton, entre outras consequências, verificar-se-ia o seguinte:

— A Califórnia teria seu nível de vida rebaixado ao atual da Coreia do Norte, segundo cálculo de Robert Bryce, do Manhattan Institute. Ou seja, um PIB per capita de U$1.800 anuais;

— Os EUA ficariam mais pobres que o México.

Esses e outros dados econômicos apontam que as esquerdas estão usando o bicho papão do aquecimento global para promover uma agenda denominada por seus ideólogos de “decrescimento”.

Seria possível tal irracionalidade? Pode ser possível não por razões da natureza, mas por obra de uma ideologia sectária de esquerda. O “socialismo do século XXI” na Venezuela prova que essa loucura é visada nos laboratórios das esquerdas comuno-progressistas.

Em um país com as maiores reservas de petróleo do mundo faltam neste momento os alimentos e remédios básicos, a metade de sua população perdeu peso pela fome e foge por terra e mar para os países vizinhos.

Se o mundo todo for jogado nessa situação para evitar o “aquecimento global” exagerado até o paroxismo, não teremos país vizinho para onde fugir.



Os imparáveis ciclos solares – O exemplo concreto da Groenlândia




quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Santo Natal e Feliz Ano Novo !

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Cientistas identificam oceanos de agua no manto terrestre, mas “verdes” espalham pânico de desertificação da Terra

O prof Steve Jacobsen trabalhando no Departamento de Ciências Terrestres e Planetárias da Northwestern University
O prof Steve Jacobsen trabalhando no Departamento de Ciências Terrestres
e Planetárias da Northwestern University
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Pesquisadores da Northwestern University de Illinois descobriram que as camadas superficiais do planeta Terra encerram oceanos de água.

Um dos mais profundos se encontra a mais de mil quilômetros de profundidade, segundo noticiou “Atlantico”.


Se esse oceano não se encontrasse nessa profundidade nós ficaríamos submersos”, explicou Steve Jacobsen da Northwestern University, num artigo publicado pela revista Lithos.

“Isso implica a presencia de uma reserva de água no planeta muito maior do que se pensava antes”, sublinhou.

domingo, 4 de dezembro de 2016

Consenso científico sobre aquecimento global
tem pés de barro

Pânicos ideologicamente enviesados e não ciência constituem a base do falso "consenso científico" sobre o aquecimento global
Pânicos ideologicamente enviesados e não ciência
constituem a base do falso "consenso científico" sobre o aquecimento global
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Impor “soluções” drásticas porque 97% dos cientistas diz que virá um cataclismo universal se não são implementadas logo, aqui e agora sem ouvir outra opinião: esse é um dos mais arrogantes sofismas do alarmismo em favor do “aquecimento global”.

Porém, a alegação é patentemente falsa segundo demonstraram no The Wall Street Journal Joseph Bast, presidente do Heartland Institute e o Dr. Roy Spencer, da Universidade de Alabama – Huntsville e pesquisador líder no Advanced Microwave Scanning Radiometer do NASA's Aqua satellite há já alguns anos.

Eles estudaram três fontes principais dessa alegação e concluíram que estavam repletas de erros e tinham origens de escasso valor.

1. Em 2009, a Universidade de Illinois consultou os seus estudantes perguntando se “as temperaturas globais tinham aumentado por uma contribuição significativa do fator humano”.

Ninguém se espantou com o resultado: 97% respondeu “sim”, posta a pressão propagandística e o risco da nota baixa.

Mas só 79 cientistas aceitaram responder à pergunta que tinha um viés tendencioso. Não é fonte para uma informação apresentada como definitiva até em discursos do presidente Obama!

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Americanos não acreditam na encíclica “Laudato Si”

Americanos não acreditaram na encíclica verde “Laudato Si”. Lançamento da encíclica no Vaticano.
Americanos não acreditaram na encíclica verde “Laudato Si”.
Lançamento da encíclica no Vaticano.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Caiu na insensibilidade e desinteresse geral, a encíclica “Laudato Si’” do Papa Francisco I. Com ela o Pontífice tenta amarrar o mundo católico no comboio de suposições apocalípticas do radicalismo ambientalista a respeito de um eventual colapso material do planeta.

Quem registra essa constatação é um vaticanista bem informado nos ambientes próximos do Pontífice: Marco Tosatti em seu blog “Stilum Curiae”.

Tal vez sentindo isso, a mal acolhida encíclica acrescentou uma segunda parte cuja inspiração provém da Teologia da Libertação, e uma parte final com considerações místicas engajando augures do panteísmo e do paganismo.

Tudo isso é matéria muito contestada nos ambientes católicos, e os seguidores da ‘Laudato Si’ insistiram mais em seus conteúdos supostamente científicos ou mais de acordo com o catastrofismo de moda entre os “verdes”.

domingo, 20 de novembro de 2016

A forca verde está balançando
e o acordo de Paris
quer enforcar o produtor rural brasileiro!

A forca verde já foi montada em Paris e Marrakesh
A forca verde já foi montada em Paris e Marrakesh
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Concluiu em Marrakesh, Marrocos, a Cúpula do Clima COP22 (Conferência das Nações Unidas sobre a Mudança Climática 2016) que visou transformar em normas práticas as decisões utópicas do acordo de Paris.

Os resultados estão ai!

Pela generosa proposta da então presidente do Brasil Dilma Rousseff, ficou erigido um cadafalso para o País!!!

As cordas com as que pretendem enforcar os condenados já estão instaladas e balançando.

Falta enfileirar os “ci-devant”. Os nomes não foram dados a conhecer, mas a condena sem processo já foi emitida. Ou forca, ou guilhotine: é a opção da “misericórdia” verde.

O Ministro da Agricultura, Blairo Maggi, denunciou essa arbitrariedade à Revista Globo Rural.

Essa consiste em que o acordo de Paris custará ao Brasil U$ 40 bilhões, ou R$ 136 bilhões em valores de hoje e serão os produtores rurais brasileiros que terão que pagar a conta!

domingo, 13 de novembro de 2016

Ambientalismo radical sem rumo na COP22
Promessas de Trump trazem esperança

COP22 01, feita para impor medidas ditatorialistas caiu na confusão com a eleição de Trump
COP2: feita para impor medidas ditatorialistas caiu na confusão com a eleição de Trump
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




A Cúpula do Clima COP22 (Conferência das Nações Unidas sobre a Mudança Climática 2016) iniciou em Marrakech suas sessões pouco antes da eleição presidencial nos EUA.

O objetivo era específico: transformar em normas concretas os utópicos objetivos fixados na COP21, em dezembro de 2015, em Paris.

O obstáculo máximo era – e continua sendo – a ratificação do acordo parisiense pelos EUA. Embora o presidente Obama e o Secretário de Estado John Kerry tenham assinado esse cerebrino acordo, a lei americana exige a ratificação dos acordos internacionais pelo Senado em Washington.

Porém, antes da eleição do novo presidente, já esse Senado tinha maioria republicana que tudo levava a crer que recusaria dita ratificação.

Nesse caso, o acordo de Paris, ficaria tão oco e ineficiente para os utopistas verdes como o protocolo de Kyoto.

Mas os representantes da confraria universal ambientalista reunidos e bem pagos pela ONU e pelos respectivos ministérios e secretarias do Meio Ambiente do mundo todo pareciam ter acreditado na imensa mentira de uma vitória da democrata Hillary Clinton.

domingo, 6 de novembro de 2016

Alarmistas 'formam uma máfia que se apossou da questão clima', diz cientista dinamarquês

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Na primeira semana de novembro entrou em vigência o acordo de Paris, assinado na COP21 em dezembro de 2015.

Ainda falta muito para saber se vai ser posto em prática pelas maiores economias responsabilizadas do "aquecimento global".

Uma primeira tentativa de implementação, descendo das abstrações para a prática, é o que tentará dizer que faz a 22º conferência climática da ONU iniciada nesta semana em Marrakesh, no Marrocos.

Nas circunstâncias atuais, continuam válidas as posições expostas por Bjorn Lomborg, cientista político dinamarquês, em entrevista a VEJA na sede da COP15, em Copenhague.

As suas declarações giraram em volta do escândalo do “Climagate” um caso de corrupção científica-ideológica que tinha no fulcro grandes ativistas do "aquecimento global".

Chama a atenção o quanto a situação atual de deturpação de dados continua vigente, e acrescida, nos ambientes aquecimentistas. Por isso a reproduzimos a continuação 

Qual foi o estrago do "climagate"?

O que está claro é que havia uma inclinação evidente para não compartilhar dados com pesquisadores cujos trabalhos não reforçariam a teoria do aquecimento global. Possivelmente, os dados foram mascarados, o que não significa exatamente uma falsificação.

O escândalo não pode ser considerado apenas uma tempestade em copo d’água. O que eles fizeram é muito sério e perturbador. Tem implicações muito maiores.

Esses cientistas formam uma máfia que se apossou da questão do clima.

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Como podem mídia, chefes de Estado e religião enganar tanto sobre questões ambientais?

Para fazer rir: Obama e Xi Jinping presidem os países que mais produzem CO2. Mas a enganação é apresentar esse gás incolor como fumaça!
Para fazer rir: Obama e Xi Jinping presidem os países que mais produzem CO2.
Mas a enganação é apresentar esse gás incolor como fumaça!
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Nicolas Loris, um economista especializado em questões energéticas e ambientais da The Heritage Foundation, levantou uma questão que soa engraçada.

A grande mídia está sempre ecoando boatos, trabalhos pseudocientíficos ou científicos enviesados sobre o aquecimento global. Até aqui, nada de novo.

Porém, esses supostamente bem informados ou até eruditos órgãos, na hora de informar sobre o demonizado CO2, ilustram suas matérias com torres de fábricas soltando colunas de fumaça ou centrais nucleares emitindo vapor de água.

Mas o CO2 é um gás incolor! Será que esses zelotes do meio ambiente não têm notícia desse dado elementar?

O CO2, além de incolor, é inodoro e não tóxico. Os homens saudáveis exalam CO2 quando respiram e não sai fumaça. Acresce que o CO2 é o alimento indispensável para o crescimento dinâmico das plantas.

Quando o presidente Obama assinou juntamente com a China o acordo obtido na COP21 de Paris, o jornal oficial chinês “The South China Morning Post” foi o primeiro a transmitir a informação.

domingo, 23 de outubro de 2016

Internacional ambientalista
pontifica sobre 10 milhões de hectares brasileiras

Em verde claro o total dos corredores a ser "liberados" para animais selvagens
(e onde o homem atrapalha)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




A ONG ambientalista holandesa Black Jaguar Foundation apresentou um projeto que dispõe de uma faixa de terra de 2.600 quilômetros contínuos, com até 40 quilômetros de largura.

Só que essas terras não lhe pertencem, mas ao Brasil, segundo noticiou “O Estado de S.Paulo”.

A faixa corta a metade Norte do Brasil e tem uma área total de 10,4 milhões de hectares, que inclui dois bilhões de árvores já plantadas. Os ambientalistas holandeses têm parceria com uma ONG brasileira e com cientistas nacionais.

O projeto foi apresentado no Congresso Internacional de Conservação da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), efetivado em Honolulu (Havaí).

Ele explora o Código Florestal, que obriga a recuperação de áreas desmatadas ilegalmente. Para isso argui que deseja reflorestar áreas de preservação permanente (APPs) em até 20 km de cada margem durante todo o trajeto do Rio Araguaia, do Parque Nacional das Emas (GO) até o Atlântico, em Belém (PA).