Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Cientistas abandonam idéia do “aquecimento global” gerado pelo homem


Eminentes cientistas abandonaram a idéia de que o aquecimento global seja obra do homem ou da civilização. Agora engrossam as fileiras dos “céticos” em relação a essa alarmista teoria, após revistarem novos estudos, constatou o senador americano Marc Morano.

O senador acrescentou que os mais prominentes destes cientistas recusam a tentativa de criar um falso consenso sobre o aquecimento da Terra. A tentativa têm como aríetes o ex-vice-presidente Al Gore e órgãos da ONU, com a decisiva participação da macrocapitalismo publicitário.

O senador Morano apresentou o que seria apenas o topo de um iceberg de cientistas que se opõem à histeria ambientalista, e anunciou que apresentaria no Senado uma outra lista muito mais extensa ainda.

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

Estado indiano equipara direitos de homens e elefantes!


A Suprema Corte de Justiça do estado de Rajastão (Índia) sentenciou que o elefante é uma “criatura vivente equivalente ao ser humano”, estando em pé de igualdade com o homem, inclusive para efeitos do seguro de vida, informou a agência indiana DNA. Na decisão, pesaram perniciosamente as falsas crenças hinduístas, segundo as quais a alma humana se reencarna sucessivamente em animais e vegetais. Daí um culto à natureza de tipo panteísta, como se vê na foto à esquerda, de populares “rezando” diante de um elefante morto. Até lá chegam os absurdos do paganismo. E até lá quer nos arrastar certo ecologismo radical, ebrio de irracionalidade!

Lobos vorazes protegidos pelo ecologismo


O ministro francês do Ambiente permitiu que se abatessem alguns lobos, para tranqüilizar os pastores da Sabóia. Desde que a Convenção de Berna, bafejada pelo ecologismo, declarou os lobos “espécie protegida”, eles se multiplicaram a ponto de dizimarem os rebanhos. Sempre mais numerosos, os lobos devoram as ovelhas às dezenas, segundo o diário parisiense “Le Figaro”. Como na fábula de La Fontaine, a convivência pacífica entre lobos e ovelhas acabou muito mal. Mas o fanatismo ecologista rejeita o bom senso, e como conseqüência as vítimas são as ovelhas... Têm pena dos lobos, mas não das ovelhas. Símbolo da atuação dos defensores dos chamados “direitos humanos”.

segunda-feira, 30 de julho de 2007

Cientistas contestam alarmismo por aquecimento global

É ridículo falar em consenso científico a respeito do propalado “aquecimento global”, disse o cientista Fred Singer, professor da Universidade de Virginia e presidente do Science and Environmental Policy Project. No livro Unstoppable Global Warming: Every 1500 Years, Singer observa: "É pura fantasia dizer que grande número de cientistas especialistas em mudanças climáticas globais endossem uma interpretação alarmista dos dados recentes sobre o clima”. Pelo contrário, centenas deles argumentam contra o sensacionalismo midiático. O extremismo ecologista está se revestindo de ares científicos para conduzir sua ofensiva contra a civilização e o progresso.

Estado indiano equipara direitos de homens e elefantes!


A Suprema Corte de Justiça do estado de Rajastão (Índia) sentenciou que o elefante é uma “criatura vivente equivalente ao ser humano”, estando em pé de igualdade com o homem, inclusive para efeitos do seguro de vida, informou a agência indiana DNA. Na decisão, pesaram perniciosamente as falsas crenças hinduístas, segundo as quais a alma humana se reencarna sucessivamente em animais e vegetais. Daí um culto à natureza de tipo panteísta, como se vê na foto à esquerda, de populares “rezando” diante de um elefante morto. Até lá chegam os absurdos do paganismo. E até lá quer nos arrastar certo ecologismo radical!

Estranha assembléia esotérico-ecológico-esquerdista

Reuniu-se em Brasília o I Foro Espiritual Mundial para “construir uma nova religião planetária”. A “estrela” do evento foi o ex-frade e teólogo da libertação Leonardo Boff, que leu a Carta da Terra, manifesto gnóstico-panteísta que visa estulta e blasfematoriamente substituir os 10 Mandamentos. Espíritas, pajés, monges budistas, astrólogos, teósofos e adeptos de outras superstições misturaram-se sob o patrocínio da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, do Governo do Distrito Federal e da ONU. Foram palestrantes o ministro do Desenvolvimento Econômico, Social e de Combate à Fome, Patrus Ananias, e ministros do STF. Sincretismo, esoterismo, esquerdismo, e ecologismo trabalham para o mesmo caos universal, que alguns chamam de Nova Era.