Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Climagate desvenda manobras desleais para espalhar o medo do “aquecimento global”


A imprensa mundial informou ‒ não sem notável mal-estar ‒ da invasão praticada por hackers no sistema da Unidade de Pesquisa Climática (Climatic Research Unit ‒ CRU) da Universidade de East Anglia, Inglaterra. O CRU está na ponta de lança dos trabalhos que falam de um “aquecimento global” catastrófico para a terra.

Hackers não-identificados ‒ seguindo um procedimento reprovável ‒ copiaram 1.073 e-mails dos membros do CRU, e entre 2.000 e 3.000 documentos. Algumas versões jornalísticas falam até de 6.000. E as publicaram em sites criados para o caso.

A ocorrência está sendo investigada pelas autoridades inglesas. Porém, os próprios interessados já se pronunciaram sobre o conteúdo desabonador dos e-mails e documentos, reacendendo a polêmica sobre um vasto leque de temas científicos e políticos.

“Pioneiro ou  trabiqueiro?” (“Saturday’s Mail”)

O diretor dessa moderna unidade é o professor Phil Jones, 57. Ele é uma autoridade de referência para aqueles que acham que o ser humano é responsável pelo “aquecimento global” que constituiria, segundo eles, um dos maiores perigos para a humanidade.

Para aqueles que não vêem sinais da existência desse perigo, Jones com todos os seus prêmios, é um trabiqueiro, escreveu “The Mail”.(ver ao lado)

O CRU participa no ambicioso projeto HadCrut para criar um banco de dados com as temperaturas globais recolhidas pelas estações meteorológicas espalhadas na superfície da terra.

O programa também devia auxiliar as previsões climáticas a curto prazo, mas virou objeto de chacota após crassos erros do Met Office (ao lado), órgão público inglês que informa do estado e previsões do clima, equivalente a nosso INMET.

As risadas foram especialmente suscitadas pelo prognóstico pífio de verões quentes e secos para 2007 e 2008 que nunca foram verificados, e ainda o de que 2009 padeceria um “verão-churrasco” pelo extremo aquecimento. Até Al Gore usou a expressão “verão-churrasco” ficando em situação desgraciosa.

O professor Jones também criou para o IPCC o gráfico batizado de 'hockey stick' (taco de hóquei) que apresentava as temperaturas globais disparando no final do século 20 até atingirem níveis recorde, quando na prática as temperaturas não tinham feito outra coisa senão estabilizar ou descer.

Procedimentos desleais

Segundo o “The New York Times”, jornal que associado à campanha pelo nunca demonstrado “aquecimento global”, naqueles milhares de e-mails e documentos encontram-se dados comprometedores. Eles dão pé à idéia de que certos cientistas conspiraram para exagerar o problema da influência humana na mudança climática. Esta idéia, aliás, fora apontada previamente por muitos cientistas de tendência oposta.


Os emails incluem comentários, por vezes debochados, sobre os cientistas que não compartem o alarmismo.

O prof. Jones ficou particularmente comprometido. Numa troca de e-mails ele escreve sobre como usar um “truque” estatístico em um gráfico para forjar uma resultante de aquecimento.

O site A Nova Ordem Mundial reproduz em português alguns desses trechos mais chocantes. Entre eles um do prof. Jones:

“Eu apenas concluí o truque da (revista) Nature aumentando a temperatura real para cada série durante os últimos 20 anos (ou seja, a partir de 1981) para esconder o declínio.”

Jones e a equipe de CRU reconhecem a autenticidade dos documentos hackeados. Apenas tentam dar uma interpretação menos negativa aproveitando as flexibilidades no uso corrente do inglês.

Num outro dos emails lê-se: 
“O fato é que não podemos explicar a falta de aquecimento no momento e é uma farsa que nós não podemos. Os dados do CERES publicado no suplemento BAMS 09 de agosto de 2008 mostra que deveria haver ainda mais aquecimento, mas os dados estão certamente errados. Nosso sistema de observação é inadequado.”
Ainda em outros, recomenda-se apagar dados científicos que poderiam servir de prova contra o suposto “aquecimento global”.

Silenciamento de “dissidentes”

Particularmente lamentável é o procedimento engajado por membros do CRU para banir cientistas “dissidentes” que no processo de revisão por pares (peer-review) manifestassem posições não alarmistas.

“Acho que temos de deixar de considerar a revista “Climate Research”, como um legítimo jornal peer-reviewed. Talvez nós devemos encorajar os nossos colegas na comunidade de pesquisa de clima a não submeter, ou citar trabalhos nesta revista. Nós também precisamos considerar o que dizemos ou solicitamos aos nossos colegas mais razoável que atualmente fazem parte do conselho editorial ...

“Eu estarei escrevendo a esta revista para dizer-lhes que eu não terei mais nada a ver com ela até que se livrem deste incômodo editor. É o resultado da revista com vários editores. O responsável por isso é um bem conhecido cético na Nova Zelândia. Ele deixou passar alguns artigos de Michaels e Gray no passado.”


Para Patrick J. Michaels (ao lado), climatologista citado pelo “The New York Times”, e que contesta ter o aquecimento global origem antropogénica: “isso não é uma prova indiscutível, é uma nuvem explosiva”.

Para o climatologista Tim Ball, o material publicado,
“Confirma as suspeitas que eu tinha em meus 30 anos nas ciências do clima. Eu vi o seqüestro da climatologia, particularmente pelos “modelos computacionais” ajudados por um pequeno grupo de pessoas associados com o IPCC. Antes era extremamente difícil provar que estávamos indo nesse sentido. Mas agora, subitamente, com a publicação destes arquivos nós temos não só o “revolver fumegante”, mas uma bateria de metralhadoras expostas.” (ver vídeo)

O “The New York Times” sublinha que os cientistas do CRU e seus correspondentes no mundo todo sentem-se cada vez mais cercados. A razão é que cientistas e cidadãos concernidos passaram a observar suas declarações e a encontrar dados aberrantes.

Em várias trocas de e-mail (hackeados), Kevin Trenberth, climatologista do Centro Nacional para Pesquisa Atmosférica lamenta: “o fato é que não podemos explicar a falta de aquecimento no momento e é cômico que não possamos”.

Destrato e agressividade verbal

Também é de se lamentar o tom depreciativo com que os cientistas de um grande centro como o CRU e seus correspondentes se referem aos cientistas que não pensam como eles. Termos do gênero “idiotas” aparecem com freqüência.

Os cientistas envolvidos argúem serem também eles seres humanos com falhas que todos têm. “A ciência não funciona porque todos nós somos legais", disse por exemplo, Gavin A. Schmidt, climatologista da Nasa, “mesmo que Newton fosse um idiota, a teoria da gravidade ainda funcionaria”.


O respeito pela ciência postula respeitabilidade pela pessoa do cientista, participe ou não da mesma escola ou tendência, ou opinião. Da mesma maneira que desrespeitar um juiz envolve um desrespeito pela Justiça.

O que se diria hoje se Galileo Galiei tivesse sido tratado de “idiota” pela Inquisição da época? Agora, há muitos que acham que os cientistas mais obcecados pelo fantasma do aquecimento global formam uma nova Inquisicão e os documentos revelados vão alimentar esta posição.

O prof. Michaels de início não quis prestar atenção nesses termos preferindo ver “apenas a forma como os cientistas falam”. Porém, após ler os documentos mais atentamente, julgou que pelos menos alguns deles refletiam um esforço arquitetado para impedir a divulgação de dados para análises independentes.

Algumas mensagens visavam derrubar sua credibilidade contestando a veracidade de sua dissertação de doutorado na Universidade de Wisconsin. “Isso mostra que são pessoas dispostas a quebrar regras e perseguir a reputação dos outros de formas muito graves”, disse ele.

Algum e-mail chega a comemorar a morte do cientista australiano John Daly, em 2004, que não comungava com as teorias alarmistas. Num outro, o climatologista Ben Santer, do Laboratório Nacional Lawrence Livermore, EUA, escreve que se encontrasse a Michaels, acima citado, ficaria "tentado a bater" nele.

Conferência sobre Mudanças Climáticas de Copenhague: maculada na base científica

O site francês Rue89, ‒ que tampouco se inscreve entre os realistas ou “céticos”‒ comentou que esta revelação lança pesadas nuvens sobre a iminente conferência mundial sobre mudanças climáticas de Copenhague. A razão é que os cientistas que estão no centro da tempestade produziram parte medular dos estudos argüidos pelo IPCC e que servem de base para dita conferência.


A expressão “climategate” tomou corpo em alusão ao escândalo de Watergate que provocou a renúncia do presidente americano Richard Nixon em 1974. O atual escândalo poderia “zerar” as atuais negociações, especula Rue89.

Por sua vez, o ex-chanceler britânico Lord Lawson (foto) deplorou que a credibilidade do Climatic Research Unit tenha ficado ameaçada. Ele disse que “deveria ser aberto um inquérito público para apurar a verdade”, em entrevista à BBC, informou “The Telegraph”.

Na semana anterior ao estouro do escândalo, Lord Lawson anunciou que estava planejando criar um “think tank” para desafiar o ilusório consenso segundo o qual seriam necessárias ações drásticas para combater o “aquecimento global”.

Entrevista com o Dr. Tim Ball sobre o "Climategate".
Se seu email não visualiza corretamente o vídeo embaixo CLIQUE AQUI




Desejaria receber atualizações do blog "Verde: a cor nova do comunismo" gratis no meu Email

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.