Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

domingo, 10 de julho de 2011

Prof. Zander Navarro e a ciência manipulada pelo ambientalismo

Zander Navarro, 59, sociólogo e professor na Universidade Federal do Rio Grande do Sul‒ UFRGS, que entre 2003 e 2010 foi professor e pesquisador no Instituto de Estudos sobre o Desenvolvimento, na Inglaterra, publicou matéria na Folha de S.Paulo deplorando o abuso do nome da ciência para perturbar o crescimento do País.

O autor há tempo perdeu esperanças na reforma agrária socialista e confiscatória cujo movimento mais emblemático é o MST, do qual deixou de ser um apoiador entusiasta e hoje critica.



Desde um outro ângulo, no nosso blog vimos denunciando que por trás desses abusos da ciência trabalha a fracassada ideologia socialista.

Hoje, cada vez com menos adeptos, ela tenta impor sorrateiramente sua agenda. Para isso a pinta de verde, e traveste seus velhos grupelhos de agitadores em ONGs falsamente ambientalistas.

“Desde os anos 90, prenunciando sombrios impactos futuros, têm sido rebaixados os papéis da ciência e dos cientistas, escreveu o professor Navarro.

“Curiosa regressão, pois ocorre quando o país ostenta uma legião de especialistas em todos os campos, com inéditos níveis de aperfeiçoamento científico.

“São movimentos insidiosos, que vão corroendo as práticas de pesquisa, instaurando um populismo que se pretende científico.

“E são tendências graves, pois usam fundos da sociedade; muitas autoridades sancionam essa ação destrutiva, o que confunde socialmente. No limite, deseduca e distorce o valor universal da ciência.

"Transgênicos para Quem?",
lançamento na UFPR,
Foto Rodrigo Juste Duarte
“Cito três exemplos. Primeiramente, a publicação ‘Transgênicos para Quem?’, lançada com fanfarra em cinco cidades.

“É livro que não resistiria a nenhuma análise, pois reúne um amontoado de fantasias ideológicas, sem nenhum lastro factual.

“Um deplorável panfleto financiado com fundos públicos. E reacionário, por ser este um tema vencido em nossos dias.

“Em segundo lugar, o recente documento da SBPC [Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência] e da ABC [Academia Brasileira de Ciências], que pretenderia se contrapor à mudança do Código Florestal.

“Assinado por respeitáveis cientistas, seu arrazoado deveria iluminar a controvérsia sobre o novo Código. Mas não: o texto parece ter sido feito às pressas. Ao fim e ao cabo, uma intervenção inútil, ainda se arvorando como representativa da comunidade científica.

“Finalmente, registre-se a audiência pública destinada à discussão de uma notável conquista da ciência brasileira, uma variedade transgênica da Embrapa que permite controlar uma das maiores ameaças à produção de feijão, causada por um vírus.

Menos alimento e mais controle social(ista)
“Um feito digno de manchetes, que nos enche de orgulho.

“Mas a audiência foi circense, pois ONGs e o representante do Consea, ligado à Presidência, carnavalizaram o evento, com argumentos infantis e ostensivamente anticientíficos.

“Ficam as perguntas que os brasileiros precisam responder: queremos o conhecimento científico? A ciência é inimiga do povo?

“Continuaremos atacando os cânones da produção do conhecimento e propondo ‘alternativas’, como se tudo aquilo feito no restante do mundo fosse errado? E o que dizer de tantos absurdos patrocinados com recursos públicos?

“Quando debateremos com transparência e sem intimidação os rumos da ciência brasileira?”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.