Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Cardeal Müller: “os fiéis não são obrigados a seguir a agenda eco-esquerdista do Papa”

Cardeal Müller: o Papa não é infalível em ecologia ou meio ambiente
Cardeal Müller: o Papa não é infalível em ecologia ou meio ambiente
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O Cardeal Gerhard Müller que se desempenhou como máximo guardião da ortodoxia católica até o Papa Francisco não lhe renovar o encargo, voltou a reafirmar uma evidência de todo tamanho:

os católicos não são obrigados a seguir a agenda eco-esquerdista do Papa Francisco de se opor a combustíveis fosseis e de favorecer acordos acerca de assuntos ambientais.

O Cardeal alemão reafirmou essa evidência, pois não se trata de matéria religiosa mas de assunto climático sobre o qual o sucessor de Pedro não tem autoridade e ainda menos infalibilidade.

E o fez em entrevista ao conceituado jornal australiano The Australian durante visita a Sidney no mês de julho do presente ano.

Obviamente, a sensata opinião caiu mal nos ardidos amigos “verdes” do pontífice argentino que viu sua ‘encíclica’ ecologista posta em seu devido lugar.

O Cardeal Müller esteve em Sydney para discursar na conferência da Confraternidade Australiana do Clero Católico, hoje engajada em defender o sigilo canônico da confissão ameaçada por leis anticlericais. Cfr.: Sacerdotes australianos preferem prisão a violar o secreto da confissão

“Não somos um partido verde”, acrescentou. E sublinhou:

“Política ambiental não tem nada a ver com a fé e moral. Esses assuntos são para políticos e para o povo votar no partido ao qual adere”.

“Os bispos não são cientistas, especialistas em meio-ambiente ou políticos”. Müller recomendou que os líderes da Igreja se concentrassem na religião.
Veja também: Cardeal Pell: “A Igreja não tem mandato divino para falar sobre questões científicas”



Segundo Müller o Papa Francisco e os cardeais e bispos que o rodeiam, aliás em sempre menor número, precisam “dar clareza, baseada na palavra de Deus” para curar o “cisma” existente entre “conservadores” e “progressistas” na Igreja.

As incursões pontifícias na ecologia baseadas em cientistas militantes anarco-tribalistas e teólogos desqualificados como o ex-frei Leonardo Boff, tiram toda seriedade às propostas do clero “progressista”.

E constituem mais um fator de confusão na Igreja e na sociedade.

Cardeal Coccopalmerio: até se envolver em escândalo repugnante foi arauto ecologista no Vaticano
Cardeal Coccopalmerio: até se envolver em escândalo repugnante foi arauto ecologista no Vaticano
O jornal australiano evocou as propostas do Cardeal Francesco Coccopalmerio, presidente emérito do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos no Vaticano.

Ele chegou a propor o disparate de incluir no Código de Direito Canônico (máximo código de leis da Igreja) a condenação da ‘conduta anti-ecologista’ e que ‘seja instaurada como nova obrigação legal uma atitude de respeito, prevenção e tutela do meio ambiente’.

Em segundo lugar postulou que seja instituído um serviço que elaboraria um rating com critérios ambientalistas classificando as empresas pela atenção dada à doutrina social da Igreja, segundo informou o site “La Nuova Bussola Quotidiana”.

Obviamente as empresas que tentassem ou dissessem tentar aplicar as teorias extravagantes da ‘Laudato si’ seriam premiadas ‘a priori’.
br /> A China com seu tráfico de órgãos humanos já ganhou o recorde do rating nas palavras de Mons. Marcelo Sánchez Sorondo, chanceler da Pontifícia Academia das Ciências e da Pontifícia Academia das Ciências Sociais. Cfr.: Apoio a nossos irmãos católicos perseguidos na China

Segundo o Cardeal Mueller, os líderes da Igreja deveriam se concentrar no ensino e na prática de religião.

Especialmente evangelizar os jovens e não transformar as igrejas em locais de festas litúrgicas onde a Missa é um mero “entretenimento religioso”.

Imagine-se o que virariam essas igrejas e Missas com a implantação das propostas ambientalistas não obrigatórias porque não católicas do Papa Francisco, do hoje afastado Cardeal Coccopalmerio, de Mons. Sánchez Sorondo ou do ex-frei Boff.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.