Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

domingo, 17 de junho de 2012

Líder de Greenpeace abandonou a ONG por causa da infiltração marxista e explica como

Dr. Patrick Moore deixou Greenpeace que ajudou a fundar
Dr. Patrick Moore deixou Greenpeace que ajudou a fundar
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O Dr. Patrick Moore foi um dos co-fundadores do Greenpeace. Ele partiu para as Ilhas Aleutas na missão inaugural do grupo em 1971 visando protestar contra os testes nucleares norte-americanos.

Ele liderou Greenpeace durante 15 anos até que saiu abruptamente. Tornou-se, então, defensor de algumas das causas mais detestadas pelo ambeintalismo. Por isso é menosprezado e tido como um “renegado”.

O que houve com Moore?

Entrevistado no filme “A grande farsa do aquecimento global” , ele explicou que sua bandeira foi sequestrada por militantes da esquerda. E explicou:


“A adoção do tema do clima foi uma decisão maior e aconteceu por duas causas diversas.

“A única forma de eles continuarem contra o establishment ocidental era adotar posições ainda mais extremadas.

Moore: "Eles traziam o neo-marxismo e aprendiam a linguagem verde de uma maneira muito astuta"
Moore: "Eles traziam o neo-marxismo e
aprendiam a linguagem verde de uma maneira muito astuta"
“Por exemplo, eu deixei Greenpeace no meio de uma campanha que visava proibir o cloro. E eu lhes dizia: ‘mas, rapazes, trata-se de um elemento que está na tabla periódica dos elementos, vocês sabem que eu acho que não está no nosso poder proibir draconianamente um elemento químico’.

“A outra razão do aparecimento do ecologismo extremo foi que o comunismo mundial havia fracassado. O Muro caia e um mundo de pacifistas e de ativistas políticos se reciclava no movimento ambientalista.


“Eles traziam consigo o neo-marxismo e aprendiam a linguagem verde de uma maneira muito astuta para promover um programa que tinha mais a ver com a anti-globalizaçao e o anti-capitalismo que com a ecologia ou a ciência”.

Posteriormente, entrevistado pela revista “Newsweek” ele acresentou novos dados. Eis alguns excertos:

Moore denuncia ideologia neomarxista, ausência de ciência  e sensacionalismo propagandistico em Greenpeace
Moore denuncia ideologia neomarxista, ausência de ciência
e sensacionalismo propagandistico em Greenpeace
“Nós estávamos tão focados no aspecto destrutivo da guerra nuclear que cometemos o erro de assimilar energia nuclear com armas nucleares, como se todas as coisas nucleares fossem más.

“De fato hoje, o Greenpeace ainda usa a palavra ‘mal’ para descrever a energia nuclear. Eu acho que é um erro tão grande como você amalgamar medicina nuclear com armas nucleares.

“A medicina nuclear usa isótopos radioativos para tratar com sucesso milhões de pessoas todos os anos, e esses isótopos são produzidos em reatores nucleares.

“Eu deixei Greenpeace porque meus colegas diretores, nenhum dos quais tinha qualquer formação científica, lidavam com questões sobre produtos químicos, biologia e genética, sem terem formação alguma.

Desmatar é necessário, diz o Dr Moore,  Greenpeace age sem ciência e contra o bom senso.  Foto: ativistas contra Código Florestal
Desmatar é necessário, disse Moore à TV de Vancouver,
Greenpeace age sem ciência e contra o bom senso.
Foto: ativistas contra Código Florestal
“Eles usavam da organização para um ‘ambientalismo pop’ com base no sensacionalismo, a desinformação, a tática do medo, etc, para tratar com as pessoas numa base emocional, em lugar de apelar para o arrrazoado intelectual.

A continuação o ex-lider de Greenpeace mostrou distorções e falsos espalhados pelo ambientalismo a respeito de certas energias “alternativas” :

“Além de energia hidrelétrica, a tecnologia nuclear é a única de que dispomos, além dos combustíveis fósseis, como fonte de energia contínua em larga escala.

“Você pode confiar nelas 24 horas por dia, sete dias por semana.

A energia eólica e a solar são intermitentes e, portanto, não são confiáveis. Como você pode fazer funcionar hospitais, fábricas, escolas e até mesmo uma casa quando o fornecimento de eletricidade desaparece três ou quatro vezes por dia?

Energia solar e absurdamente cara, instável e não confiável.
Energia solar e absurdamente cara, instável e não confiável.
“O vento pode ter um papel menor para reduzir o consumo de combustíveis fósseis, porque você pode renunciar aos combustíveis fósseis mas só quando o vento está soprando.

“Substituir os combustíveis fósseis com energia solar é completamente ridículo.

“Os subsídios governamentais à energia eólica e solar por toda parte são maciços. A França tira 80% de sua eletricidade das usisnas nucleares e não tem altos custos de energia. A Suécia, produz 50% de sua energia nas centrais nucleares e tem custos de energia muito razoáveis.

“O custo de produção de electricidade das 104 usinas nucleares em operação nos Estados Unidos é de 1,68 centavos de dólar por kilowatt-hora, não incluindo os custos de capital.

Em recente livro, Moore explica como Greenpeace virou sucursal neomarxista
Em recente livro, Moore explica
por que deixou Greenpeace
“O custo da energia nuclear é muito baixo e competitivo.

“A electricidade produzida em centrais a gás custa três vezes mais do que a nuclear, pelo menos.

“O custo da electricidade tirada de eólicas aumenta cinco vezes mais, e a gerada pelas centrais solares é 10 vezes mais”.

E refutando o medo irracional de que as usinas nucleares possam multiplicar os arsenais atômicos e gerar um holocausto planetário, disse:

“Você não precisa de um reator nuclear para fazer uma arma nuclear. Com tecnologia de centrifugação é muito mais fácil, mais rápido e mais barato fazer uma arma nuclear.

“Você nunca vai mudar o fato de que existem pessoas más no mundo.

Energia nuclear e barata, segura, confiavel, estavel, diz Dr Moore
Energia nuclear e barata, segura,
confiável, estável, diz Dr. Moore
“A maioria das mortes em combate nos últimos 20 anos não foi causada por armas nucleares, bombas, fuzis, minas terrestres ou qualquer outra arma, mas pelo facão.

“Entretanto, o facão é a ferramenta mais importante para os agricultores no mundo em desenvolvimento. Centenas de milhões de pessoas o usam para limpar suas terras, cortar a lenha e fazer a colheita. Proibir o facão não é uma opção”.


Video: Dr. Moore explica suas razões a TV de Vancouver (inglês)





7 comentários:

  1. pessoalmente acho que há aqui tanto disparate como mentira.

    ResponderExcluir
  2. tanta contradição... afinal em que ficamos?
    isto tudo não passa de politica barata

    ResponderExcluir
  3. Matéria sem nexo algum. É obvio que se a greenpeeace age pró-natureza terá sim atrito com o sistema que governa o mundo, capitalismo. Desmatar não é necessário, é necessário pro sistema atual dito capitalismo. Ir contra o desmatamento é ir contra o capitalismo. E ir contra o capitalismo não necessariamente significa ser adepto do marxismo. Isso pra mim parece mais marcketing barato da burguesia pra confundir a massa proletária. Bye

    ResponderExcluir
  4. Sobre a energia nuclear eu já tinha lido em outro artigo uma opinião parecida com a dele. Não sei opinar cientificamente. Mas esse cara vir falar que desmatar e necessário. Baseado em que? Que estudo embasa a ideia de que desmatar irá garantir nossa sobrevivência. Nos precisamos de sistemas alternativos. E claro que a producao de energia limpa e mais cara, o mundo não investe para o aperfeiçoamento de produção nessa área. A fóssil tb ja foi super cara pra produzir, o que não impediu de se continuar. Porém, tem sido muito mais fácil continuar a explorar a natureza do que investir em setores que possam nos desenvolver em harmonia com ela. Eu digo, os tempos estão mudando e nos precisamos nos equilibrar com Gaia.

    ResponderExcluir
  5. Chernobil e Fukushima mandam um apertado abraço!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.