Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

domingo, 31 de janeiro de 2016

Criança nasce verde-vermelha e berra:
2015 foi o ano mais quente!
Quem é o pai do mostrengo?

Manipulação de dados para fazer acreditar que 2015 foi o ano mais quente da história
Manipulação de dados para fazer acreditar que 2015 foi o ano mais quente da história
Luis Dufaur





Como virou costumeiro na passagem do ano, a mídia espalhou relatórios anunciando que o ano que findou foi o mais quente “desde que existem registros”. Assim, 2015 teria batido os recordes históricos de calor global.

Para se justificar, a ideologicamente incansável confraria alarmista apela para estudos que ela trombeteia ruidosamente, mostrando dados parciais e ocultando outros verdadeiramente cruciais.

Como o simples leigo não tem tempo nem condições de compulsar os complicados relatórios e análises dos cientistas, acaba sendo enganado por uma informação enviesada.

domingo, 10 de janeiro de 2016

Alerta vermelho pela poluição na China.
COP21 deu de ombros e socialismo comemorou
o achatamento da população

Guarda na Praça Tiananmen,durante a alarme vermelha.
Guarda na Praça Tiananmen,durante a alarme vermelha.
Luis Dufaur






Mais uma vez a cidade de Pequim, na China, atingiu sucessivos patamares de poluição altamente danosa para a saúde de dezenas de milhões de habitantes da capital comunista e cidades vizinhas.

Desta feita, a poluição desencadeou o nunca antes atingido “alerta vermelho”.

Esse é o mais grave grau na escala de periculosidade: proíbe a circulação de metade dos veículos, restringe a atividade de fábricas e de trabalhos a céu aberto, além de fechar escolas.

O Escritório de Proteção do Meio Ambiente recomendou que as pessoas utilizassem máscaras ou outras medidas de proteção.

A poluição recorde de uma imensa área em volta de Pequim não é nova, pois o governo comunista chinês apela para métodos primitivos maciços para aumentar a produção, visando à hegemonia econômica comunista mundial.

O alerta estava em laranja, o segundo mais crítico, até que tocou o vermelho, ou a poluição de pesadelo.