Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

domingo, 10 de abril de 2016

O que é a ecologia? 2
O extremismo do fundador superado pelos discípulos

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Continuação do post anterior: O que é a ecologia 1 - O panteísmo monista do fundador Ernst Haeckel

(Fonte: excertos de Anna Bramwell, “Ecology in the 20th Century, A History”, Yale University Press, New Haven, Ct., and London, 1989).

Apesar de sua ênfase aparentemente inócua nas belezas e maravilhas da natureza, o monismo do fundador da ecologia Ernst Haeckel era um credo subversivo, não apenas pelo seu repúdio à religião organizada, mas também pel rejeição das tradições sociais.

Todos os organismos vivos, amebas, macacos, homem primitivo e homem educado, devem cooperar entre si como um só ser. A sociedade humana existente deve ser rejeitada se for ultrapassada pelos avanços científicos que se gestavam nos grupos panteístas.

Haeckel só se tornou presidente da Liga Monista, inspirada por ele, em 1905. Seus escritos foram atacados por grupos cristãos e conservadores. Embora fossem apresentados como de direita, os monistas eram firmemente esquerdistas, muitos deles socialistas e materialistas.

Nesta galáxia de sonhadores "esquisitos" circulavam pequenos grupos cultuadores da natureza que haveriam de dar na "tintura mãe" do fanatismo nazista.



Ecologia e socialismo

A maior parte dos primeiros ecologistas pertenceram ao Partido Social Democrata Alemão. O apelo de Haeckel encontrou ressonância numa geração de ateus republicanos e socialistas, desejosos de seguirem o que de fato era uma nova religião com ares de credo naturalista.

Homem e natureza: uma coisa só. Retorno a conceitos pagãos.
Homem e natureza: uma coisa só. Retorno a conceitos pagãos.
A ênfase de Haeckel naquilo que era ao mesmo tempo maravilhoso e orgânico era persuasiva. Era a crença na sociedade enquanto um todo orgânico a conceder validez científica ao relativismo.

A importância política que tiveram iria se manifestar no futuro, muitas décadas depois do colapso do nazismo, quando a classe média educada começou a apoiar os verdes.

Haeckel e os monistas não apoiavam a democracia, porque não confiavam que alguém — exceto os cientistas — pudesse compreender o homem e a sociedade.

O legado mais importante de Haeckel foi seu culto à natureza, a crença de que o homem e a natureza são uma coisa só, e que causar danos a um era causar danos ao outro.

Neste sentido, ele é mais fundador da moderna ecologia do que os biologistas holistas que elaboraram teorias referentes à conduta humana e à organização social.

Origem do termo “ambiente”
Konrad Lorenz forjou o termo "ambiente" no sentido ecológico
Konrad Lorenz forjou o termo "ambiente" no sentido ecológico


Em 1909, o fisiologista alemão Jacob von Uekhull empregou pela primeira vez o termo “ambiente”, enquanto significando o mundo subjetivo ou fenomenal do indivíduo.

O fosso de separação entre o homem e o animal estava encurtado pelo desenvolvimento da etologia.

Os etologistas procuravam os mecanismos precisos que explicassem os instintos. Sem o conceito de ecologia, não se estabeleceria a relação entre os organismos e os ambientes em seu “habitat” natural.

O conceito promovia a ideia de que a conduta animal ou humana só poderia ser entendida examinando seu “habitat” natural. O que levou à conclusão de que o laboratório não era o meio adequado para se compreender as complexas e sutis interações entre os animais e o homem.

O primeiro e mais famoso etologista foi o naturalista austríaco Konrad Lorenz. Ele via os animais e o ambiente como um todo.

Para Lorenz, o homem só é mais um animal
Para Lorenz, o homem só é um animal a mais
Cada animal era um indivíduo. Segundo ele, os animais aprendem, modificam-se, amam, sentem surpresa, inveja e dor como os homens.

Com base nesta nova ciência, viu-se que o fosso entre o comportamento humano e o animal não era tão grande como se pensara.

Filosofia e militância contra o homem

A porta estava aberta para o anti-antropomorfismo científico, para a ideia de que é errado distinguir a situação moral e mesmo legal entre as diferentes espécies.

Lorenz argumentava que se se reconhecesse a natureza animal do homem, este teria mais facilidade em resolver seus problemas políticos e sociais.

Através da etologia humana, podemos ver algumas raízes ocultas da ecologia que aparecem. A primeira é a posição anti-antropomórfica.

A visão ecológica do homem enquanto animal não dependia mais de uma avaliação moral. Os valores ecológicos estavam apoiados por uma nova ciência.

O homem virou o inimigo da natureza e é preciso acabar com ele, diziam
O homem virou o inimigo da natureza e é preciso acabar com ele, diziam
O anti-antropomorfismo explícito de Haeckel foi desenvolvido pelos etologistas. O vitalismo influenciou também o quadro científico da própria terra e da vida humana.

Os geógrafos alemães von Humboldt e Carl Ritter descreveram a terra como um organismo em funcionamento, defendendo a tese de que o homem e o solo têm uma aliança mística indissolúvel.

O termo biosfera foi reativado na década de 20 por um biólogo russo. A fusão do vitalismo biológico com a geologia orgânica parece ter sido uma premissa para a visão global dos ecologistas de hoje.

A economia energética contra a população e a tecnologia

Espalhar pânicos de fim dos recursos
Espalhar pânicos de fim dos recursos
Os ecologistas economistas são considerados por alguns autores como os primeiros ecologistas de fato.

O apelo à preservação das escassas reservas naturais constitui talvez um dos mais fortes argumentos dos verdes.

A existência de reservas naturais fixas, não-renováveis, tornou-se um problema quando se entendeu as implicações da teoria da dissipação da energia.

O universo foi então visto como um sistema fechado: a energia dissipada não poderia mais ser substituída.

Alguns ecologistas energéticos têm uma atitude positiva face às possibilidades da tecnologia orientada para uma espécie de futurismo “sobreviventista”, mais difundido na comuna ecológica de hoje em dia do que no início do século XX.

O medo da escassez de energia, de solo, de alimentos, a super-população, etc., obsessionava os ecologistas energéticos.

Granja ecosocialista Xardín do Cernunnos, Galicia, Espanha.jpg
Granja ecosocialista Xardín do Cernunnos, Galicia, Espanha
Surgiu uma disciplina baseada nesses problemas. Às grandes fazendas capitalistas, preferiu-se o campo trabalhado intensivamente pelo camponês.

O aproveitamento máximo da terra foi visava a eliminação das economias de mercado “desperdiçadoras”.

Os camponeses desligados do capitalismo agrário eram considerados como a fonte não só da coesão social e dos valores conservadores, mas também do progresso agrícola ecologicamente sadio.

O conceito panteísta da Terra Mãe, espécie de ente divino já tinha tomado forma. Faltavam os movimentos que lhe desse expressão política, os símbolos, os lideres. Mas esses estavam em gestação em países germânicos e anglo-saxões. Muito especialmente na Alemanha.

Continua no próximo post: O que é a ecologia? 2 - O extremismo do fundador superado pelos discípulos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.