Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

domingo, 11 de novembro de 2018

Agricultor brasileiro é o maior preservador dos recursos naturais, demonstram estudos

Evaristo de Miranda, coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)
Evaristo de Miranda, coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica
da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Quem mais preserva recursos naturais hoje no Brasil é o agricultor. A afirmação resulta de levantamento feito baseado no Cadastro Ambiental Rural e concluído pela Embrapa, apontou a ABAG, Associação Brasileira do Agronegócio.

“Não tem uma categoria profissional no Brasil que preserve mais o meio ambiente do que o produtor rural”, garantiu o agrônomo Evaristo de Miranda, coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), citou a Agência Brasil.

A afirmação foi feita numa das exposições mais aplaudidas da sexta edição do Fórum de Agricultura da América do Sul, acontecida em Curitiba.

Miranda se dedicou a “desmistificar” acusações de que o setor é uma ameaça ao meio ambiente.

“Qual a categoria do Brasil dedica seu patrimônio pessoal, privado e mobiliza R$ 3 trilhões para o meio ambiente? É uma poupança não remunerada que ainda gera custo para ser mantida e, se pegar fogo, a culpa é sua, se roubarem madeira você é o responsável.”, assegurou.

Miranda afirmou que, somado às áreas protegidas – mais de 1,8 mil unidades de conservação e outras áreas indígenas – e terras devolutas, o total do território preservado no Brasil ultrapassa os 66% do total.

“E a lavoura ocupa 7,8%. Essa parcela para toda a produção de cana, de soja, de milho”, disse. Segundo ele, as áreas de pastagens também vem decrescendo, assim como o volume de rebanho.

“Ser acusado de não proteger suas florestas é um absurdo”, criticou.



Países europeus e os Estados Unidos, entre outros, preservam 10%.

Para ele, as pressões internacionais sobre essa questão se baseiam em interesses de produtores de outras economias que tentam se proteger da potencialidade do território brasileiro.

“Não tem uma categoria profissional no Brasil que preserve mais o meio ambiente do que o produtor rural”
“Não tem uma categoria profissional no Brasil que preserve mais o meio ambiente do que o produtor rural”
No Fórum de Agricultura da América do Sul participaram mais de 40 especialistas e profissionais das principais cadeias produtivas do agronegócio, representando mais de 15 países.

Os dados de Minas Gerais não deixam dúvida, segundo a ABAG: 18% das matas preservadas naquele Estado estão nas propriedades rurais, percentual 6 vezes superior aos 3% conservados pelos parques públicos.

Essa informação foi dada também pelo chefe geral da Embrapa Monitoramento por Satélite, Evaristo de Miranda, em palestra no evento Brazil & Sustainable Coffee Conference, promovido nesta terça (25), em São Paulo, pela Cooxupé – Cooperativa Regional dos Cafeicultores em Guaxupé, BASF e ABAG – Associação Brasileira do Agronegócio.

“A constatação do nosso estudo não é uma estimativa, mas sim um retrato fiel da realidade das propriedades, uma vez que, com o satélite, temos condições de mapear cada metro quadrado do território analisado.

“Isso reforça a concepção de que o Brasil é, comprovadamente, um dos países que mais protege suas matas, já que temos 30,2% do nosso território conservado. Na sequência, entre os países de grande território, vem a Austrália que projete 17,2%”, explicou Miranda.


RURAL BUSINESS: NASA confirma: pressão ecológica sobre agricultura é pura manipulação!





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.