Para atualizações gratis via email: DIGITE SEU EMAIL:

domingo, 29 de maio de 2011

Novos animais sagrados, javalis ameaçam cidadãos e lavouras, mas ambientalismo impede que sejam caçados

Perigosos para a vida humana, mas ecologicamente sagrado
Javalis e javaporcos ‒ derivados do cruzamento dos primeiros com porcos domésticos ‒ estão se tornando uma ameaça à vida e à segurança da população brasileira, informou o jornal “O Estado de São Paulo”.

No fim da década de 1980 e início da década de 1990, os javalis entraram no Brasil pelas fronteiras com Uruguai e Argentina.



Ainda alguns foram trazidos para criação com vista à produção de carne. Os animais selvagens e os que fugiram ou foram soltos se reproduzem velozmente.

Os alvos preferenciais da espécie são as lavouras, principalmente de milho e tubérculos.

Javali liberado por ambientalistas na Europa

Sem predadores naturais e nenhum tipo de controle, os animais viraram praga em várias regiões e ameaçam pessoas, lavouras e outras espécies.

“As cercas não conseguem contê-los e um bando pode consumir uma lavoura razoável em uma noite”, alertou o engenheiro agrônomo Rafael Augusto Salerno, integrante do Grupo de Trabalho para o Controle do Javali em Minas Gerais (GT Javali).

Multiplica rápido mas não pode ser caçado na maior parte do País.
“Esses animais comem tudo que está em cima da terra. Répteis, pequenos mamíferos, vegetais”, alerta.

Os animais poderiam ser caçados como na Europa, nos EUA ou na Argentina.

O problema, disse Salerno, é que matar um javali é considerado crime ambiental na maior parte do Brasil. E o Ibama anda de olho.

Honrosas exceções são Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Em 2009, o professor Carlos Fonseca, da Universidade de Aveiro, em Portugal, visitou o Parque Estadual de Vila Velha, em Ponta Grossa (PR), também alvo de infestação de javalis.

Veloz e agressivo, mas "verdes" protegem. Ruim é o homem de campo.
Ele defendeu o uso de métodos de controle da população para afastar o risco.

“Precisaria abater 70% dos animais por ano, só para manter a população estável. E, se chegarem à Amazônia, ninguém pega mais”, concorda Rafael Salerno.

A preocupação do ambientalismo não é de conter a praga perigosa, mas estrangular os produtores agropecuários com leis cada vez mais repressivas de sua benemérita atividade.


2 comentários:

  1. Gostei do Blog. os assuntos merecem um link para o facebook o quanto antes, para divulgação e argumentação sadia.

    ResponderExcluir
  2. até que enfim, encontrei um blog que não acredita em tanta mentira "científica", tenho discutido isso diversas vezes e o material do blog vai me ajudar. Não sei quem são os responsáveis, mas parabéns pela iniciativa. adicionei meu e-mail ao blog na hora.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.